Meteorologia

  • 17 JANEIRO 2021
Tempo
14º
MIN 5º MÁX 15º

Edição

Enfermeira adota bebé com esperança de vida de um ano. Viveu cinco

Bebé Zoe, abandonada no hospital, contrariou todas as expectativas. Mãe adotiva confessa: "Foram os melhores cinco anos da minha vida".

Enfermeira adota bebé com esperança de vida de um ano. Viveu cinco

A enfermeira Nuria Pérez, de Tucumán, na Argentina, conheceu Zoe em 2014 no hospital onde trabalha. A bebé, na altura com dois meses de vida, sofria de hidranencefalia, uma condição congénita que faz com que o hemisfério cerebral não se desenvolva. 

Abandonada no hospital, os médicos não acreditavam que a menina sobrevivesse mais de um ano. Mas, contrariando todas as expectativas, Zoe viveu durante cinco anos. 

Em entrevista ao Infobae, site de notícias argentino, Nuria conta que viu a recém-nascida, que não via nem ouvia, a crescer num berço no  hospital.

A história de Zoe comoveu esta enfermeira que, um mês e meio depois de a conhecer, decidiu adotá-la. "Vou ser eu a mãe", disse aos colegas, não conseguindo ser indiferente à situação da menina.

Tratando-se de um caso delicado, Nuria tinha a consciência de que Zoe não teria os cuidados de saúde adequados na cidade. "Pensei: 'se vai viver uma vida tão curta, era bom que tivesse uma mãe, um irmão, avós, tios, primos, uma casa, uma cama, roupas e brinquedos'", disse.  Com o apoio de toda a família, a enfermeira, que já era mãe de Lázaro, de 9 anos, avançou para a adoção que seria oficializada em agosto de 2014. 

Acolhida na família, a menina foi recuperando aos poucos. Nuria teve sempre a consciência de que Zoe teria uma vida curta. No entanto, não há forma de "estar preparado para a morte, muito menos de uma criança". A menina viveu até aos cinco anos, mais quatro do que o esperado.  Foram anos de alegria, mas difíceis, porque Zoe tinha convulsões todos os dias, usava fralda e tinha crises respiratórias.

A 12 de agosto de 2019, sofreu uma paragem cardiorrespiratória. Nuria foi, nessa altura, confrontada com a decisão mais difícil da sua vida. "Ela podia ficar entubada num hospital até ao fim, prolongando a vida, e isso era algo que não queríamos para ela" explicou. 

Zoe morreu em 13 de agosto do ano passado. "Ainda estamos a aprender a viver sem ela (...) Dói muito, mas não me arrependo de nada. Foram os melhores cinco anos da minha vida", confessa. 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório