Meteorologia

  • 25 NOVEMBRO 2020
Tempo
10º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

Líderes internacionais apelam à cooperação para combater Covid-19

Líderes de organizações internacionais e especialistas mundiais reunidos hoje apelaram à cooperação para combater a pandemia de covid-19, reconhecendo tratar-se de uma crise de dimensões históricas.

Líderes internacionais apelam à cooperação para combater Covid-19
Notícias ao Minuto

21:26 - 25/10/20 por Lusa

Mundo Covid-19

"O nacionalismo nas vacinas não vai acabar com a pandemia, mas fazê-la que dure mais", advertiu o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, na Cimeira Global da Saúde ('Global Health Summit'), um evento organizado em Berlim, no qual participou à distância.

O desafio de encontrar uma vacina contra a covid-19 foi o símbolo dessa cooperação internacional exortada pelo responsável da OMS e outros líderes mundiais, que não puderam vir à capital alemã precisamente porque a pandemia está em plena segunda vaga na Europa, agora epicentro mundial dos contágios.

Tedros abordou alguns dos aspetos mais determinantes para o sucesso da estratégica de colocar diques contra a pandemia, mas sublinhou especificamente que, quando a vacina contra a covid-19 chegar, esta terá de ser administrada de uma determinada forma.

"Precisamos de vacinar algumas pessoas em todos os países e não todas pessoas em alguns países", sublinhou Tedros, aludindo à competição global desencadeada para obter a maior quantidade possível de doses, mesmo sem ter ainda a vacina.

"Desde Berlim a Bogotá, de Minneapolis a Bombaim, de Seul a São Petersburgo, todos enfrentamos a mesma ameaça", acrescentou o responsável da OMS, que fez uma defesa dos sistemas de saúde dotados de profissionais, equipas e material suficientes.

A pandemia deixa uma "lição clara" de que "um sistema de saúde forte é um sistema de saúde resiliente", afirmou Tedros, que admitiu que a saúde pública é o resultado de "decisões políticas", não apenas das mais recentes, mas das tomadas no passado com consequências atuais.

A covid-19 "pôs em evidência que a negligência das funções dos sistemas de saúde no apoio à resposta às emergências teve consequências desastrosas", constatou o diretor-geral da OMS.

Tedros aproveitou ainda a oportunidade para destacar que a pandemia tornou "concreto" os conceitos do multilateralismo, da cooperação internacional e da solidariedade.

O responsável da OMS deu nota da recente onda de surtos de covid-19 em muitos países e mencionou que isso está a acontecer em países que reabrem as suas sociedades e economias "demasiado rápido".

No entanto, acrescentou que "assumir rapidamente as medidas certas" tem como consequência observada que os surtos podem ser controlados.

Na cimeira berlinense virtual participou também o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, que advertiu que esta é "a crise da nossa era" e apelou à solidariedade dos países desenvolvidos para apoiar aqueles que não têm recursos suficientes para manter os sistemas de saúde adequados.

António Guterres aludiu também à questão da vacina para alertar de que deverá ser "um bem público global", uma vez que a cobertura universal da saúde é "um direito humano".

Também a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, participou no encontro, apelando que é preciso uma "mudança mental" em relação à saúde, para não atender apenas aos resultados clínicos.

Von der Leyen assegurou que na União Europeia, com severos aumentos recentes dos casos de novos contágios em todo o território, a prioridade passa pela "coordenação e cooperação transfronteiriça" para não repetir a situação de confinamento e encerramento de fronteiras que dominou a primeira onda da pandemia durante a primavera.

A reunião convocada em Berlim e realizada hoje à distância acontece quando os casos globais de covid-19 alcançam os 42,5 milhões, depois de se registarem 438.000 novos contágios nas últimas 24 horas e de França passar a ser o país da Europa Ocidental mais afetado, depois de ultrapassar a Espanha em positivos ao novo coronavírus, segundo dados da OMS.

Depois de três dias consecutivos de recordes diários de infeções, este domingo registou-se uma ligeira descida face aos 468.000 de sábado, embora a taxa continue muito alta, em especial na Europa, onde se concentra já quase metade dos positivos de covid-19 no planeta.

O número de mortos com a pandemia mantem-se em 1,1 milhões, sendo que por regiões a América acumula 19,4 milhões de casos e 622.000 óbitos, enquanto a Europa é a segunda mais afetada, com 9,2 milhões de contágios e 267.000 falecimentos.

O sul da Ásia soma 8,8 milhões de casos e 139.000 mortes e, no Médio Oriente, os positivos elevam-se a 2,9 milhões, com os óbitos a ascender a 73.000.

Por sua vez, os Estados Unidos acumulam 8,4 milhões de casos, seguido da Índia, com 7,8 milhões. O Brasil conta com 5,3 milhões e a Rússia 1,5 milhões.

Em seguida, ultrapassando um milhão de casos, está a Argentina, França e Espanha, embora seja o segundo destes países que regista taxas diárias de contágio mais preocupantes, com 45.000 casos por dia, duplicando os números espanhós.

A Colômbia está também à beira de superar a barreira de um milhão de contágios, enquanto o Peru e o México se situam nos 880.000 e o Reino Unido nos 854.000.

Os pacientes recuperados em todo o mundo são três quartos do total (31,7 milhões), e dos casos ativos apenas 1% (cerca de 77.000, número que aumenta ao mesmo ritmo que sobem os casos totais) está em estado grave ou crítico.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório