Meteorologia

  • 28 SETEMBRO 2020
Tempo
25º
MIN 15º MÁX 27º

Edição

Sérvia admite adquirir sistema de mísseis apesar dos avisos dos EUA

O Presidente sérvio indicou hoje que o país está a considerar adquirir um sistema de mísseis antiaéreo chinês, apesar de os EUA advertirem que o acordo com Pequim poderá comprometer os objetivos de adesão de Belgrado à União Europeia.

Sérvia admite adquirir sistema de mísseis apesar dos avisos dos EUA
Notícias ao Minuto

16:49 - 11/08/20 por Lusa

Mundo Sérvia

Aleksandar Vucic disse que se está ainda a avaliar a compra do do sistema FK-3, a versão para exportação do HQ-22, o moderno sistema antiaéreo de médio alcance chinês de última geração.

A Sérvia, que tem reforçado as suas forças militares essencialmente com veículos blindados e aviões russos, recebeu em julho seis 'drones' de ataque e de reconhecimento CH-92A, de fabrico chinês.

Esta compra tornou a Sérvia no primeiro país europeu a munir-se com aquele tipo de equipamento aéreo não-tripulado chinês.

A embaixada dos Estados Unidos em Belgrado considerou que "procurar equipamento militar e de defesa é uma decisão soberana. No entanto, os governos devem compreender os riscos e custos a curto e médio prazo que envolve a decisão de negociar com empresas chinesas", refere a declaração, citada pela agência noticiosa Associated Press (AP).

"As opções de compra deveriam refletir o objetivo político divulgado pela Sérvia sobre uma maior integração europeia", prossegue o texto da embaixada.

"Empresas alternativas que não dependem de regimes autoritários disponibilizam equipamento que garante em simultâneo a necessidade de defesa da Sérvia, e que é comparável na qualidade e custo", acrescenta a nota.

Numa reação a esta declaração, Vucic considerou que "quando se decide comprar algo, há sempre alguém com qualquer coisa contra isso".

O Presidente da Sérvia argumentou que o sistema de mísseis antiaéreo FK-3 não está incluído na lista de sanções dos EUA contra a China e que a aquisição depende dos termos financeiros do acordo.

"Vamos tomar a decisão enquanto país livre e soberano", disse Vucic.

O reforço das forças militares sérvias com material militar russo e chinês, e a crescente influência política e económica destes países no Estado balcânico tem suscitado apreensões no ocidente e entre os vizinhos da Sérvia.

As tensões têm-se agravado nos Balcãs, onde decorreu uma devastadora guerra civil na década de 1990 no decurso da desintegração da Jugoslávia. A NATO interveio contra a Sérvia no decurso do conflito entre Belgrado e os separatistas albaneses do Kosovo em 1999.

A Sérvia, que já iniciou as negociações de adesão à União Europeia, declarou a neutralidade militar em 2006 e aderiu ao programa Parceria para a paz da NATO.

No entanto, a sua liderança continua a rejeitar a integração na aliança militar ocidental, apesar de a maioria dos vizinhos da Sérvia se terem tornado Estados-membros da NATO.

Ao pronunciar-se sobre a eventual aquisição por Belgrado deste moderno sistema de defesa aérea chinês, um oficial da NATO que se pronunciou sob anonimato considerou que "a compra de material de defesa é uma decisão nacional".

"A Sérvia tem o direito de optar livremente pelas suas medidas políticas e de segurança. A NATO e a Sérvia são parceiros próximos e estamos empenhados no reforço da nossa parceria com a Sérvia, no respeito absoluto pela sua política de neutralidade", precisou, citado pela AP.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório