Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2020
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 23º

Edição

Beirute. Investigadores procuram pistas entre suspeitas de negligência

Investigadores começaram a procurar no destruído porto de Beirute pistas que os conduzam a identificar causas das explosões que destruíram parte da capital libanesa, enquanto o governo ordenou algumas detenções domiciliárias de dirigentes portuários suspeitos de negligência.

Beirute. Investigadores procuram pistas entre suspeitas de negligência
Notícias ao Minuto

21:10 - 05/08/20 por Lusa

Mundo Beirute/Explosões

A investigação está focada em determinar como foi possível que 2.750 toneladas de nitrato de amónia tenham estado armazenadas durante pelo menos seis anos, sem nada ter sido feito a este respeito.

O nitrato de amónio é usado principalmente como fertilizante químico para uso agrícola, mas também pode entrar na composição de alguns explosivos para uso civil.

A Sociedade Química de França, por exemplo, esclareceu que o nitrato de amónio "é utilizado sobretudo como fertilizante químico para as culturas de leguminosas".

O Líbano é conhecido como um grande consumidor de fertilizante: com 330 quilogramas por hectare, o país utiliza duas vezes mais que a média mundial, assinalava em fevereiro a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

O nitrato de amónio também é utilizado no fabrico de explosivos. "Misturado com TNT (trinitrotolueno) ou com PETN (tetranitrato de pentaeritritol), é usado na construção, nas minas e pedreiras", avançou a Sociedade Química de França.

Os voos com ajuda internacional começaram a chegar ao Líbano, enquanto os líderes do país procuram a melhor maneira de lidar com a chocante situação posterior às explosões de terça-feira, a braços com uma crise económica e a enfrentar protestos públicos que os acusam de crónica má gestão e corrupção.

A explosão no porto matou pelo menos 113 pessoas e feriu cerca de quatro mil, disse o ministro da Saúde, Hamad Hassan. Os hospitais estão submergidos pela procura -- um, atingido pela explosão, teve mesmo de retirar todos os seus doentes para um campo nas proximidades para os tratar.

Há edifícios destruídos e com estragos ao longo de quilómetros na cidade e o governador da capital disse hoje que centenas de milhares de pessoas poderiam não ter possibilidade de regressar às suas casas nos próximos dois ou três meses.

Esta foi a pior e mais destrutiva explosão solitária ocorrida no Líbano, país que tem uma história cheia de destruição, com um guerra civil, entre 1975-1990, conflito com Israel e ocasionais ataques terroristas.

A alimentar a especulação que a negligência pode ser sido a causa do acidente, uma carta oficial a circular hoje na Internet mostrou que o chefe do departamento das Alfândegas tinha avisado repetidamente, ao longo dos anos, que o imenso 'stock' de nitrato de amónio, arrumado num armazém no porto, era um perigo e solicitava aos dirigentes da justiça uma decisão para a sua remoção.

A carga de nitrato de amónio estava no porto desde que foi confiscada, então carga de um navio, em 2013, e suspeita-se que explodiu depois de um incêndio ter começado nas proximidades.

A carta do dirigente das Alfândegas, de 2017, a um juiz não pode ser confirmada imediatamente, mas o procurador estatal Ghassan Oueidat ordenou aos serviços de segurança que começassem uma investigação imediata a todos os documentos relacionados com os materiais armazenados no porto, bem como às pessoas com responsabilidade na manutenção, armazenagem e proteção do hangar.

Na carta, o chefe das Alfândegas alertava para "o perigo, se os materiais continuarem onde estão, afetando a segurança dos empregados" portuários, e solicitava ao juiz orientação para o que fazer com os materiais.

Acrescentou ainda que tinham sido enviadas cinco cartas similares em 2014, 2015 e 2016.

A carta agora divulgada propõe que o material fosse exportado ou vendido a uma empresa libanesa de explosivos. Desconhece-se se a carta foi respondida.

O Presidente libanês, Michael Aoun, garantiu hoje, durante uma reunião do governo, que a investigação seria transparente e os responsáveis punidos.

"Não há palavras para descrever a catástrofe que atingiu Beirute na noite passada", disse.

Depois da reunião, o governo ordenou que vários dirigentes do porto fossem colocados em detenção domiciliária, enquanto se faz a investigação, e declarou um estado de emergência durante duas semanas, o que significa dar poder total aos militares durante este período.

O governo adiantou que as escolas públicas e alguns hotéis iriam acolher pessoas que perderam as casas e prometeu uma compensação, não especificada, para as vítimas.

Com o porto de Beirute destruído, p governo adiantou que as importações e exportações iriam ser feitas através de outros portos do país, principalmente através de Tripoli, a norte, e Tiro, a sul.

Já começaram a aparecer sinais de que o descontentamento público vai além dos dirigentes portuários e começa a focar-se na classe governante.

As fações políticas têm divido o controlo dos serviços públicos, incluindo o porto, usando-as para benefício dos seus apoiantes, sem os desenvolver. Isto tem-se traduzido em infraestruturas arruinadas, cortes de energia e prestações de má qualidade.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório