Meteorologia

  • 29 SETEMBRO 2020
Tempo
27º
MIN 15º MÁX 29º

Edição

Turquia considera inaceitável acordo entre curdos e petrolífera americana

A Turquia considerou hoje "inaceitável" o acordo entre uma companhia petrolífera norte-americana e a administração semi-autónoma curda no norte da Síria, afirmando tratar-se de uma forma de "financiar o terrorismo".

Turquia considera inaceitável acordo entre curdos e petrolífera americana
Notícias ao Minuto

11:47 - 03/08/20 por Lusa

Mundo Síria

A maioria dos campos de petróleo da região (leste e nordeste da Síria) estão fora do alcance do regime de Damasco e são controlados essencialmente pelos curdos - apoiados pelas tropas norte-americanas que se encontram na zona.

A exploração petrolífera é a principal fonte de rendimento da administração regional curda

O governo semi-autónomo curdo e as Forças Democráticas Sírias não fizeram qualquer comunicado sobre o assunto, mas responsáveis norte-americanos, em Washington, confirmaram o acordo que se destina "a modernizar os campos petrolíferos no nordeste sírio", não adiantando mais detalhes.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Turquia disse que o acordo foi estabelecido com a companhia Delta Crescent Energy LLC, dos Estados Unidos.

"Lamentamos o apoio norte-americano que ignora o Direito Internacional (...) no que diz respeito ao financiamento do terrorismo", indica o comunicado da diplomacia turca que considera o acordo "inaceitável".

O Exército turco projeta com regularidade operações militares contra os combatentes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) apontado por Ancara como uma "organização terrorista". 

No domingo, o governo sírio condenou o acordo, sublinhando que se trata de um atentado contra a soberania do país. 

Na quinta-feira passada, durante uma audiência no Congresso dos Estados Unidos, o senador Lindsey Graham referiu que abordou o acordo com Mazloum Abdi, chefe das Forças Democráticas Sírias (FDS) uma aliança de milícias que desde 2015 integra, entre outros, efetivos curdos, sírios, árabes, turcos e arménios que combatem na região.  

"Aparentemente eles assinaram um acordo com uma companhia petrolífera norte-americana para modernizar os campos de petróleo do nordeste da Síria", afirmou o senador.

Entretanto, o chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, interrogado pelo senador Graham, confirmou o "apoio" de Washington. 

"Há muito tempo que esperamos o acordo, estamos empenhados em implementar esse acordo que é muito importante", disse Pompeo.

A guerra na Síria, desencadeada em 2011, já causou mais de 380.000 mortos e milhões de deslocados e refugiados e provocou prejuízos de milhões de dólares no setor dos hidrocanetos.

Os combates atingem com frequência as infraestruturas petrolíferas da região, que são disputadas pelas partes em confronto.

Antes da guerra, a produção de crude sírio atingia os 400 mil barris por dia, mas a produção atualmente é deficiente.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório