Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2021
Tempo
11º
MIN 9º MÁX 19º

Edição

Kremlin exige libertação de 33 russos acusados de conspiração

O Kremlin exigiu hoje a libertação dos 33 russos detidos na Bielorrússia e acusados de pretenderem desencadear "tumultos de massas" a poucos dias de uma eleição presidencial difícil para o atual Presidente, Alexander Lukashenko.

Kremlin exige libertação de 33 russos acusados de conspiração
Notícias ao Minuto

14:01 - 31/07/20 por Lusa

Mundo Kremlin

Segundo Minsk, os suspeitos detidos são membros da empresa militar privada Wagner, um grupo há muito acusado de proximidade com o Kremlin e de deslocar os seus mercenários para terrenos de operações no estrangeiro.

"Esperamos que os nossos aliados bielorrussos expliquem este incidente o mais brevemente possível e que os nossos cidadãos sejam libertados". Declarou aos media o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

O mesmo responsável considerou "sem fundamento" as prisões destes cidadãos, dos quais alguns combateram na guerra na Ucrânia, e apesar de Kiev ter solicitado a sua extradição.

Peskov confirmou hoje que os russos trabalhavam para uma empresa de segurança privada, que não designou, e que estavam em trânsito na Bielorrússia em direção à Turquia e para um destino que não foi precisado.

"Não possuíam nada de ilegal e nada fizeram para violar a lei", insistiu o porta-voz do Kremlin.

Aliados históricos, a Rússia e a Bielorrússia mantêm relações tensas desde o final de 2019, com Lukashenko a acusar a Rússia de pretender reduzir o seu país a um estado de vassalagem e de ingerências neo escrutínio de 09 de agosto, e que Moscovo tem desmentido.

A Bielorrússia acusa os 33 russos, e ainda cerca de 200 outros ainda procurados, de pretenderem "desestabilizar" o país com a aproximação das eleições presidenciais, um escrutínio atribulado para o líder bielorrusso que pretende um sexto mandato consecutivo.

As autoridades acusam estas homens de trem tentado organizar com dois opositores detidos, Serguei Tikhanovski e Mikola Statkevitch, "tumultos de massas".

Poe sua vez, Svetlana Tikhanovskaia, a mulher de Tikhanovski e candidata às presidenciais de 09 de agosto e que surge como a principal rival de Alexander Lukashenko, rejeitou estas acusações.

Na sua perspetiva, este caso constitui uma encenação do poder bielorrusso, que deteve estes mercenários que geralmente Minsk deixa "que utilizem a Bielorrússia como uma base de trânsito" em direção a pontos de conflito no mundo.

"Ninguém pode acreditar que estes combatentes tenham sido enviados para as eleições. Que pretendiam fazer uma revolução aqui", declarou na quinta-feira Tikhanovskia, no decurso de uma concentração de apoiantes em Minsk que juntou dezenas de milhares de pessoas.

Tikhanovskia substituiu na corrida às eleições presidenciais o seu marido, um vídeo blogger muito popular, e que foi detido em maio por motivos considerados de políticos pelos seus partidários.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório