Meteorologia

  • 09 AGOSTO 2020
Tempo
20º
MIN 18º MÁX 28º

Edição

Polónia profundamente dividida na segunda volta das presidenciais de hoje

Uma Polónia profundamente dividida vota hoje na segunda volta das presidenciais, em que se defrontam o Presidente cessante, o conservador nacionalista Andrzej Duda, e o presidente da câmara da capital, o liberal europeísta Rafal Trzaskowski.

Polónia profundamente dividida na segunda volta das presidenciais de hoje
Notícias ao Minuto

06:06 - 12/07/20 por Lusa

Mundo Polónia

No cargo há cinco anos, Andrzej Duda, apoiado pelo partido nacionalista eurocético no poder, o Lei e Justiça (PiS), venceu a primeira volta, a 28 de junho, com 43,5% dos votos. O adversário, Rafal Trzaskowski, obteve 30,5%.

As sondagens para a segunda volta dão um empate técnico entre os dois.

A realizada sexta-feira pelo instituto Kantar para o canal polaco TVN24, atribui 46,4% das intenções de voto a Trzaskowski e 45,9% a Duda, com 7,7% dos 1.500 inquiridos ainda indecisos.

Outra sondagem, do instituto Ibris publicada na quarta-feira, dá igualmente uma vitória à justa ao presidente da câmara de Varsóvia, com 45,3% contra 44,4% para Duda, mas uma taxa de indecisos de 10,3% dos 1.100 inquiridos.

Uma terceira sondagem dá a vitória a Adrzej Duda com 53%, contra 47% para Trzaskowski e apenas 3% de indecisos, numa amostra de 1.014 pessoas.

Para os analistas, Trzaskoswki vai tentar captar os eleitores que na primeira volta votaram no independente crítico do sistema Szymon Holownia (13,85%) e Duda os dos que votaram no candidato da extrema-direita Krzystof Bosak (6,75%).

Andrzej Duda conta sobretudo com a base conservadora do PiS, maioritariamente rural, mais velha e menos instruída, tendo feito uma campanha assente nos valores tradicionais e católicos, com ataques aos direitos LGBTI [Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgénero e Intersexo] que passaram nomeadamente por assinar, na segunda-feira, uma emenda constitucional para proibir a adoção por casais homossexuais, que tem ainda de ser aprovada pelo parlamento.

Rafal Trzaskowski, que defende a legalização das uniões civis entre pessoas do mesmo sexo e proclamou em 2019 uma carta dos direitos LGBTI que levou um terço dos restantes municípios, encorajados pelo PiS, a declarar-se "zonas livres de LGBT", manifestou-se contudo agora contra a adoção por casais homossexuais, o que organizações da sociedade civil atribuem ao medo de perder votos.

As assembleias de voto para as presidenciais de domingo vão estar abertas entre as 07:00 e as 21h00 (06h00-19h00 em Lisboa).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório