Meteorologia

  • 06 JUNHO 2020
Tempo
25º
MIN 17º MÁX 25º

Edição

"Estão a deixar-nos para morrer": O grito de desespero dos equatorianos

Equador está a ser fortemente afetado pela pandemia de Covid-19, multiplicando-se o número de casos e mortos. Falta de resposta das autoridades governativas está a gerar desespero entre a população que acusa do Governo de estar a deixar os seus cidadãos morrerem sem qualquer auxílio.

"Estão a deixar-nos para morrer": O grito de desespero dos equatorianos
Notícias ao Minuto

08:51 - 04/04/20 por Notícias Ao Minuto 

Mundo Reportagem Guardian

Com o mundo a viver uma pandemia sem precedentes, as respostas dos diferentes Estados vão sendo um diferentes um pouco por toda a parte. Porém, no Equador, com as unidades médicas completamente 'arrasadas', o problema sanitário continua a desmultiplicar-se em diversos âmbitos.

Sem resposta hospitalar à altura, muitos cidadãos têm perdido familiares que, sem cuidados médicos, sucumbem onde estão.

Os corpos amontoam-se nas ruas, nas casas... e por vezes passam dias sem que sejam removidos do sítio onde 'caíram', gerando, como é óbvio, acrescidos problemas morais mas também de saúde.

"As autoridades estão simplesmente a deixar-nos morrer", conta Eduardo Javier Barrezueta Chávez, homem de 33 anos  que viu o seu pai, de 57, falecer há três dias, em casa, sem auxílio médico, mas que ainda não conseguiu receber qualquer resposta das autoridades.

Depois de cinco dias a sentir sintomas ligeiros, Eduardo levou o seu pai a um hospital local. Depois de uma radiografia aos pulmões, o diagnóstico foi confirmado: pneumonia. Porém, com a lotação do hospital atingida, a recomendação foi que ambos se deslocam-se para as suas residências, com Eduardo a ter de administrar paracetamol ao pai que morreria dias depois sem conseguir lutar, por meios próprios, contra a doença.

Com temperaturas, por vezes, a superar os 30.º, muitos são os corpos que se podem ver em vídeos e fotografias partilhadas nas redes sociais, abandonas ou com os familiares a terem de conviver de perto com entes queridos que já perderam a vida.

"Estão a deixá-los [os corpos] nas ruas, no pavimento ou abandonados em casa. O que se passa com Guayaquil", escreveu, há dias, Cynthia Viteri, mayor da cidade. 

Fernando Jiménez, dono de uma funerária, fechou recentemente a atividade, isto porque os cemitérios já não asseguram espaço para tantos corpos que necessitam de ser sepultados. "Houve tanta procura que simplesmente não conseguimos gerir as coisas. A situação está verdadeiramente fora de controlo", contou este agente funerário ao The Guardian.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório