Meteorologia

  • 28 MAIO 2020
Tempo
26º
MIN 20º MÁX 33º

Edição

Mais de três mil trabalhadores cabo-verdianos com contratos suspensos

Mais de três mil trabalhadores cabo-verdianos viram os contratos de trabalho suspensos temporariamente pelas respetivas empresas, no âmbito das medidas governamentais para mitigar os efeitos da pandemia da covid-19, avançou hoje à Lusa fonte oficial.

Mais de três mil trabalhadores cabo-verdianos com contratos suspensos
Notícias ao Minuto

18:49 - 03/04/20 por Lusa

Mundo Covid-19

Segundo a diretora-geral do Trabalho de Cabo Verde, Clementina do Rosário, os dados provisórios até quinta-feira apontavam que a maioria dos contratos de trabalho suspensos temporariamente regista-se na ilha do Sal, representando até agora mais de 1.300 trabalhadores.

Seguem-se as ilhas de São Vicente (mais de 500), Santiago (mais de 400) e Boa Vista (mais de 300), enquanto as restantes ilhas registam "números reduzidos" de contratos de trabalho suspensos temporariamente, num máximo de 10 pedidos.

Clementina do Rosário avançou à Lusa que a maioria das suspensões ocorre nas áreas de hotelaria, restauração, transportes e construção civil, mas sem precisar o número de empresas, "porque o foco são os trabalhadores".

Enquanto algumas empresas suspenderam os contratos para metade dos seus trabalhadores, outras estão a reduzir por grupos, com 30 dias cada, ainda segundo a diretora-geral do Trabalho, que admitiu um aumento dos dados, porque continua a receber pedidos diários.

O modelo simplificado para suspensão de todos os contratos de trabalho em Cabo Verde entrou em vigor na quarta-feira, por um período de três meses, abrangendo as empresas que fizeram a comunicação por causa da crise provocada pela pandemia de covid-19.

Com esta medida governamental, os trabalhadores vão receber 70% do seu salário bruto, que será pago em partes iguais pela entidade empregadora e pelo Estado, através do Instituto Nacional de Previdência Social (INPS).

O pedido deve ser enviado obrigatoriamente à Direção-Geral de Trabalho (DGT), mas Clementina do Rosário avançou que 90% das comunicações foram dirigidas a esta entidade e ao INPS ao mesmo tempo.

Outra novidade deste regime excecional é que reduziu o prazo de comunicação prévia à DGT de 15 para quatro dias, no caso das empresas, e de sete para três dias, no caso do trabalhador.

"Fundamental aqui é evitar o desemprego, tanto que até este momento ainda não temos nenhuma comunicação formal sobre trabalhadores que perderam o seu posto de trabalho por causa da situação que vivemos, mas, sim, a suspensão", salientou a diretora, para quem 90% dos postos de trabalho em Cabo Verde estão garantidos, mesmo com esta crise pandémica.

O Governo cabo-verdiano, juntamente com os parceiros sociais, adotou ainda outras medidas de caráter fiscal, financeiro e social, para mitigar os efeitos do novo coronavírus e proteger as empresas, os empregos e as famílias.

Cabo Verde está em estado de emergência, decretado pelo Presidente da República, até 17 de abril, obrigando a população ao recolhimento em casa e à suspensão das atividades não essenciais, o que está a levar ao encerramento temporário de várias empresas.

O país regista seis casos de covid-19, nas ilhas da Boa Vista e de Santiago (Praia), um dos quais resultou na morte de um turista inglês de 62 anos.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 55 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 200 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório