Meteorologia

  • 04 JUNHO 2020
Tempo
25º
MIN 17º MÁX 25º

Edição

Moçambique quer tirar vantagens de estar na cauda da propagação

Moçambique quer usar a seu favor o facto de parecer ter ficado na cauda da propagação da pandemia de covid-19 para aprender com as lições dos países mais desenvolvidos, disse hoje a diretora nacional da Saúde Pública do país.

Moçambique quer tirar vantagens de estar na cauda da propagação
Notícias ao Minuto

18:23 - 03/04/20 por Lusa

Mundo Covid-19

"Temos de reconhecer que o facto de termos ficado na cauda em relação à evolução da epidemia nos deu tempo para aprendermos, como país subdesenvolvido", acerca de "tecnologias e protocolos terapêuticos que países mais desenvolvidos usaram", referiu Rosa Marlene, em conferência de imprensa, em Maputo.

O objetivo é aprender com as lições e informação já disponível, adaptá-la e usá-la no país lusófono, esclareceu, ao ser questionada sobre o estado de preparação face a um aumento de portadores do novo coronavírus.

Moçambique tem 10 casos oficialmente registados de infeção, todos com sintomas ligeiros e sem mortes, tendo realizado 317 testes desde o início da pandemia, em 11 de março.

Têm sido conduzidos para despistagem os casos de que haja conhecimento e que estejam enquadrados pelos critérios da Organização Mundial de Saúde (OMS), tais como, pessoas oriundas de países afetados ou que tenham estado em contacto com alguém infetado, entre outros.

Questionada sobre se o uso da cloroquina faz parte das lições apreendidas por Moçambique, Rosa Marlene não descarta o uso do medicamento.

"As evidências mostram que a utilização da cloroquina até agora tem resultados muito bons. Também vamos usar nalguns casos", tal como "tudo aquilo que demonstrou ser eficaz para uma recuperação rápida e redução da mortalidade", sublinhou.

A diretora nacional da Saúde Pública acrescentou que, tendo em conta as possibilidades, o objetivo final é "administrar tratamento a quem necessitar", sendo que dos casos oficialmente detetados, até hoje nenhum precisou de ser tratado.

Moçambique é um dos países mais pobres do mundo e Rosa Marlene reconheceu que o sistema de saúde de Moçambique terá "desafios" a enfrentar, tendo já solicitado o apoio de doadores.

O objetivo, referiu, é conseguir "retardar o pico de epidemia" para "conseguir responder" às eventuais necessidades de tratamento.

"O sucesso está em cumprir com as medidas de prevenção", frisou.

Eduardo Samo Gudo, diretor-geral adjunto do Instituto Nacional de Saúde (INS) de Moçambique, disse no início da semana que "ganhar tempo" é a prioridade na luta contra a covid-19.

"Atrasando o pico para janeiro ou fevereiro, o Serviço Nacional de Saúde ganha tempo para mobilização de recursos, para fortalecimento do sistema, para entender melhor a epidemia e para que apareça um medicamento" ou "uma vacina", detalhou.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 54 mil e cerca de 200.000 são consideradas curadas.

A pandemia afeta já 50 dos 55 países e territórios africanos, com mais de 7.000 infeções e 280 mortes, segundo o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC). São Tomé e Príncipe permanece como o único país lusófono sem registo de infeção.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório