Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2020
Tempo
17º
MIN 13º MÁX 19º

Edição

Senegal. Polícia acusada de excessos no controlo do recolher obrigatório

Vários defensores dos direitos humanos do Senegal denunciaram hoje uma violência excessiva por parte das forças de segurança para o cumprimento do recolher obrigatório para contenção do novo coronavírus, de acordo com agências noticiosas internacionais.

Senegal. Polícia acusada de excessos no controlo do recolher obrigatório
Notícias ao Minuto

16:17 - 25/03/20 por Lusa

Mundo Covid-19

Alioune Tine, fundador do grupo Afrikajom Center e antigo diretor regional da Amnistia Internacional para a África Ocidental e Central, defende que as autoridades policiais podem garantir que o toque de recolher obrigatório seja respeitado "de uma forma que respeite os direitos humanos".

"Sem tortura, tratamento desumano ou degradante. Sem o uso excessivo de força", escreveu Tine na plataforma social Twitter.

Segundo a agência France-Presse, na mesma plataforma estão a ser partilhados vários vídeos que mostram polícias a agredir transeuntes isolados, a atacar um taxista ou a perseguir um jovem nas ruas.

Na segunda-feira, o Presidente senegalês, Macky Sall, declarou o estado de emergência no país, impondo também um recolher obrigatório entre as 20:00 e as 06:00 para o combate da pandemia de covid-19.

Os residentes de Dacar assinalam que nem sempre é possível regressar a casa antes das 20:00, especialmente com os limites dos transportes públicos.

"Um estado de emergência não deve levar a arbitrariedades. A violência desta noite é inaceitável, injustificada e intolerável. Aqueles que violam o recolher obrigatório devem ser punidos, mas de acordo com a lei e a dignidade humana", escreveu o advogado Mbissane Ngom, também no Twitter.

A organização não-governamental (ONG) Forum du Justiciable acredita que "este comportamento pode ser comparado à tortura, violando seriamente a dignidade dos cidadãos".

No entanto, alguns internautas senegaleses defendem os métodos das forças policiais.

"É verdade que tem havido alguns deslizes, mas se as pessoas desobedecem, temos de agir firmemente. O uso da força, no nosso contexto social, face à covid-19, é necessário", disse o titular da conta "Discover Senegal", citado pela France-Presse.

O Senegal contabiliza pelo menos 99 casos de covid-19 desde que foi detetado o primeiro infetado, em 02 de março, tendo sido hoje anunciados 13.

Nove pacientes foram declarados como curados e, até ao momento, as autoridades senegalesas não relataram qualquer morte.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 428 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 19.000 morreram.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente africano contabiliza pelo menos 64 mortos e 2.421 casos de infeção desde o início da pandemia, segundo dados do primeiro boletim diário do Centro para a Prevenção e Controlo de Doenças da União Africana, que reporta dados registados até às 09:30 de Adis Abeba (06:30 em Lisboa).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório