Meteorologia

  • 21 JANEIRO 2021
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 16º

Edição

Autoridades russas deportam chineses por alegada violação da quarentena

As autoridades de Moscovo estão a deter e deportar cidadãos chineses por alegadamente violarem os procedimentos de quarentena que as autoridades da cidade determinaram em resposta à pandemia do novo coronavírus, segundo a agência de notícias Associated Press (AP).

Autoridades russas deportam chineses por alegada violação da quarentena
Notícias ao Minuto

15:25 - 20/03/20 por Lusa

Mundo Covid-19

Desde o início do ano, cerca de 79 chineses foram presos e multados por deixarem o seu local de residência durante o período de 14 dias de quarentena que foram obrigados a cumprir após retornarem da China, disse o advogado de defesa Sergei Malik à AP.

A maioria foi deportada da Rússia, enquanto 27 permanecem no centro de detenção de migrantes de Moscovo, aguardando deportação ou decisão sobre os recursos que alegam que as detenções são arbitrárias, disse Malik.

Cerca de metade dos cidadãos chineses detidos eram estudantes universitários, disse o advogado russo.

"Alguém decidiu atingir os cidadãos chineses", disse Malik.

"Nossa brava polícia agia sob ordens de alguém. Ninguém estava a deter italianos ou iranianos. Apenas os chineses", referiu ainda.

Alguns chineses que foram detidos disseram, em documentos judiciais analisados pela AP, que não receberam explicações completas ou que não conhecem o idioma russo o suficiente para entender as regras que tinham que seguir enquanto estavam em quarentena.

Entre as razões apontadas para sair de casa, estava a necessidade de comprar comida, obter documentos de imigração ou pagar os estudos.

Como parte da estratégia da capital russa de impedir que o novo coronavírus se espalhasse, as autoridades de Moscovo disseram no final de fevereiro que todos os que chegavam da China tinham de observar uma quarentena obrigatória de duas semanas.

O governo da cidade também enviou a polícia para rastrear os cidadãos chineses invadindo hotéis, dormitórios, prédios de apartamentos e empresas.

A AP analisou mais de 20 veredictos proferidos pelos tribunais de Moscovo em casos envolvendo cidadãos chineses detidos por evasão de quarentena no mês passado. Os julgamentos estavam disponíveis no portal do sistema judicial da cidade na Internet.

Em metade dos casos, os endereços de onde a polícia deteve os suspeitos correspondiam aos endereços em que os cidadãos chineses deveriam estar em quarentena, mas não incluíam os números dos apartamentos. Os réus em vários casos alegaram ter sido falsamente acusados de deixarem os seus apartamentos ou de terem sido enganados por polícias.

A polícia de Moscovo não respondeu a um pedido de comentário.

As informações no portal da autarquia de Moscovo afirmam que a falha ou a recusa de observar a quarentena está sujeita a processo criminal se a violação levar a infeções em massa e mortes.

A suposta falta de orientações e regulamentos claros suscita preocupações entre alguns ativistas russos de direitos humanos.

"O que está a acontecer agora é tão obscuro", disse Svetlana Gannushkina, chefe do grupo de direitos dos migrantes e refugiados Civic Initiative.

"A pena por não seguir os regulamentos sanitários e epidemiológicos na Rússia geralmente constitui uma multa inferior a 10 dólares e certamente não é deportação", disse o advogado Malik.

A porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Maria Zakharova, disse na quinta-feira que estrangeiros que "violam ordens de quarentena" de facto podem ser deportados de acordo com os regulamentos russos existentes.

O ministério monitora a situação "com cidadãos chineses e cidadãos de outros países" e trabalha em estreita colaboração com as respetivas embaixadas, disse Zakharova.

A embaixada da China na Rússia não respondeu a pedidos repetidos de comentários.

Na semana passada, o porta-voz da embaixada confirmou ao jornal Kommersant que os tribunais de Moscovo ordenavam que os cidadãos chineses fossem deportados por "violar as regras de auto-isolamento (definidas pelo) governo russo'.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório