Meteorologia

  • 15 OUTUBRO 2019
Tempo
19º
MIN 12º MÁX 20º

Edição

Ana Julia: O que dizia a homicida enquanto transportava corpo de Gabriel

Primeiras audições do julgamento ao homicídio do pequeno Gabriel Cruz, em Espanha, permitiram conhecer novos detalhes do caso. "Calma, Ana, que não vais presa", dizia a homicida a si mesmo, enquanto mudava corpo de sítio.

Ana Julia: O que dizia a homicida enquanto transportava corpo de Gabriel
Notícias ao Minuto

17:19 - 15/09/19 por Notícias Ao Minuto 

Mundo Ana Julia Quezada

Decorreram na semana passada as audições em tribunal, no âmbito do julgamento ao homicídio do pequeno Gabriel Cruz, de apenas oito anos, que morreu às mãos da madrasta, Ana Julia Quezada, em fevereiro do ano passado, em Almería, Espanha.

Ana Julia, de 45 anos de idade, foi detida enquanto transportava o corpo de Gabriel, na bagageira do carro, para o mudar de sítio. Já na mira das autoridades, o seu carro tinha escutas e foi possível ouvir, na sala de tribunal, que esta dizia enquanto transportava Gabriel.

O impactante relato foi dado por um elemento, não identificado, da Guardia Civil, segundo relata o El Mundo. Ana Julia foi falando consigo mesma enquanto conduzia a viatura, onde levava o corpo de Gabriel. "E agora, onde o ponho? Numa estufa?", "Não queriam 'peixinho' ['pescaíto', alcunha dada pelos pais a Gabriel], pois vão ter um 'peixinho', garanto-vos", disse.

Adicionalmente, a homicida confessa também se ia tranquilizando. "Calma, Ana, que não vais presa", ouviu-se dizer, de acordo com o agente de autoridade.

Ana Julia, recorde-se, tinha acabado de desenterrar o corpo do menino da propriedade do pai, em Rodalquilar, onde o tinha matado. Estando já a ser seguida pelas autoridades, acabou por ser intercetada. "Ali tem só um cão", disse aos agentes quando lhe pedir para abrir a mala. Estava lá o corpo de Gabriel.

Gabriel Cruz, recorde-se, desapareceu no dia 27 de fevereiro e foi encontrado no dia 11 de março na bagageira do carro de Ana Julia, a namorada do pai do menino. A mulher confessou o crime e revelou que matou a criança depois de uma discussão entre ambos, uma tentativa de evitar a pena máxima de prisão. O caso será decidido por um júri de nove pessoas.

A morte de Gabriel causou comoção em Espanha, em particular em Almería, que decretou três dias de luto, e foi condenada pelo rei Filipe VI.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório