Meteorologia

  • 24 MAIO 2019
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 24º

Edição

Ministro do Sri Lanka diz que ataques foram "retaliação" a Christchurch

Declaração foi feita por ministro da Defesa do Sri Lanka perante deputados do país.

Ministro do Sri Lanka diz que ataques foram "retaliação" a Christchurch
Notícias ao Minuto

09:56 - 23/04/19 por Pedro Filipe Pina 

Mundo Ariana

Ruwan Wijewardene, ministro da Defesa do Sri Lanka, sugeriu perante membros do parlamento do seu país que o ataque concertado a igrejas e hotéis, que fez mais de 320 vítimas mortais, terá sido uma resposta a um outro atentado terrorista, que visou a comunidade muçulmana, em Christchurch, na Nova Zelândia.

Explica o correspondente do The Guardian no local que o governante referiu que os ataques no último domingo de Páscoa surgiram como "retaliação".

Recorde-se que no passado dia 15 de março um supremacista branco australiano armado atacou duas mesquitas neo-zelandesas, matando 50 pessoas. O ataque ocorrido no Sri Lanka, e que custou a vida a um cidadão português, implicou vários bombistas suicidas que se fizeram explodir em hotéis e igrejas católicas.

O balanço mais recente no Sri Lanka refere 321 mortos, mais de 500 feridos e ainda cerca de 40 detidos. Um grupo extremista islâmico local, o National Thowheeth Jama'ath, que no passado já atacara a comunidade budista local, é tido como o principal suspeito do ataque terrorista desta Páscoa.

As investigações ao ataque terrorista no Sri Lanka irão decorrer com apoio internacional, nomeadamente da Interpol, que já enviou uma equipa de investigadores.

O mesmo diário britânico explica que, entre os argumentos desta linha de investigação - de que o ataque foi uma "retaliação" por Christchurch - está o facto de um dos suspeitos ter atualizado as suas contas em redes sociais com "conteúdo extremista" após o massacre na Nova Zelândia. Há, no entanto, especialistas que 'torcem o nariz' à ideia.

Em causa está o facto de um ataque destas dimensões (pelo menos oito explosões, envolvendo vários bombistas suicidas, em vários locais distintos) implicar um trabalho que estaria a ser desenvolvido há vários meses. Este mesmo ponto é focado por, entre outros, Paul Buchanan, especialista neo-zelandês em matéria de segurança citado pelo New Zealand Herald.

Além do mais, falta apurar o que as autoridades do Sri Lanka fizeram, na sequência de avisos de segurança que chegaram e que davam precisamente conta da possibilidade de um ataque terrorista estar a ser preparado para este mês de abril.

O balanço do número de mortes ainda poderá subir dado o elevado número de feridos. 

Por fim, refira-se que a cidadã portuguesa que ficou viúva na sequência do ataque terrorista já regressou a Portugal, como confirmou ao final da tarde da última segunda-feira ao Notícias ao Minuto fonte da Secretaria de Estado das Comunidades.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório