Meteorologia

  • 21 ABRIL 2019
Tempo
17º
MIN 14º MÁX 18º

Edição

Governo e rebeldes xiitas aceitam reposicionamento de tropas em Hodeida

A Organização das Nações Unidas (ONU) anunciou hoje que o Governo do Iémen e os rebeldes huthis chegaram a acordo sobre o reposicionamento de tropas na cidade portuária de Hodeida, no âmbito de um cessar-fogo.

Governo e rebeldes xiitas aceitam reposicionamento de tropas em Hodeida
Notícias ao Minuto

18:00 - 15/04/19 por Lusa

Mundo Iémen

A aplicação do acordo, que chegou a estar previsto para o passado dia 18 de dezembro, e que previa uma trégua em Hodeida (noroeste) e uma troca de prisioneiros, foi adiada a 28 de janeiro devido a dificuldades no terreno, de acordo com o emissário da ONU para o Iémen, Martin Griffiths.

O acordo tinha sido concluído na Suécia, após negociações organizadas pela ONU entre o Governo iemenita, apoiado por uma coligação internacional dirigida pela Arábia Saudita, e os rebeldes huthis, ajudados pelo Irão.

Griffiths viajou na semana passada para Sanaa, capital iemenita, para dar continuidade ao pacto, considerado uma peça-chave para o fim da guerra no país.

Após o anúncio do pacto entre ambas as partes, feito por videochamada durante o Conselho de Segurança das Nações Unidas, o enviado da ONU acrescentou: "Quando -- e espero que seja quando e não se -- essas recolocações acontecerem, serão as primeiras retiradas voluntárias de forças neste longo conflito".

Hodeida, cidade portuária controlada pelos rebeldes xiitas que combatem o Governo, foi durante meses a principal linha de frente da guerra no Iémen, desencadeada em 2014.

As forças pró-governamentais lançaram uma ofensiva em junho contra a cidade no mar Vermelho, controlada pelos rebeldes e porta de entrada do essencial da ajuda humanitária e das importações do país.

O conflito no Iémen já causou mais de 10.000 mortos desde que a coligação militar internacional iniciou a sua intervenção em março de 2015, segundo a Organização Mundial de Saúde.

Grupos de defesa dos direitos humanos admitem que o número real de mortos poderá ser cinco vezes maior.

A guerra deixou 14 milhões de iemenitas à beira da fome e as Nações Unidas consideram a situação como a pior crise humanitária do mundo.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório