Meteorologia

  • 23 MAIO 2019
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 22º

Edição

Após protestos, presidente argelino anuncia que não se vai recandidatar

Decisão do presidente Argelino surge depois de vários dias de protesto contra a sua recandidatura.

Após protestos, presidente argelino anuncia que não se vai recandidatar
Notícias ao Minuto

18:06 - 11/03/19 por Andrea Pinto com Lusa 

Mundo Eleições

O presidente Abdelaziz Bouteflika decidiu adiar as eleições presidenciais e anunciou que não vai ser candidato.

A decisão do presidente argelino surge depois de vários dias de protesto contra a sua recandidatura. Foram mais de duas semanas com protestos inéditos em 20 anos de poder de Bouteflika.

Esta renúncia a um quinto mandato implica o adiamento 'sine die' das presidenciais previstas para 18 de abril.

Numa mensagem ao país divulgada pela agência oficial APA, Bouteflika precisa que as eleições presidenciais deverão ocorrer "no prolongamento" de uma "conferência nacional" responsável pela reforma do sistema político e a elaboração de um projeto de Constituição até finais de 2019.

A decisão coincide com protestos massivos nas ruas de todo o país contra a decisão de Bouteflika, 82 anos, de optar pela reeleição para um quinto mandato consecutivo nas presidenciais de 18 de abril.

Os protestos na Argélia, que se iniciaram há alguns meses nas bancadas dos campos de futebol, alastraram para as ruas em 22 de fevereiro, dois dias antes da partida de Bouteflika para Genebra onde esteve hospitalizado até domingo, e que também forçou o regime a suspender a inauguração do novo aeroporto de Argel, à qual deveria presidir.

Desde então, em particular às sextas-feiras, dia sagrado para ao muçulmanos, milhões de pessoas têm protestado contra a corrupção de um regime dominado pelas Forças Armadas e os serviços secretos e que se enquistou progressivamente desde o fim da guerra de libertação, iniciada em 1954, e a independência da França em 1962.

Os estudantes têm mantido a pressão na rua, o que conduziu o regime a antecipar por dez dias as férias universitárias, que se iniciaram hoje no país.

Na presidência desde 1999, Bouteflika sofreu em 2013 um "derrame cerebral" que afetou as suas faculdades físicas e o impedir de fazer campanha nas presidenciais do ano seguinte, que voltou a vencer apesar dos protestos de uma oposição muito controlada.

Desde então não se exprime em público, move-se numa cadeira de rodas manejada pelo seu irmão Saïd e as suas aparições públicas são raras, e geral reduzidas a imagens gravadas pela televisão estatal por motivo do Conselho de ministros ou de vistas de altos dignitários estrangeiros.

Bouteflika não viaja há muito para o estrangeiro e nos dois últimos anos cancelou no último momento, por "recaídas de saúde", reuniões já confirmadas com altos responsáveis estrangeiros, incluindo a chanceler alemã Ângela Merkel e o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammad bin Salman.

[Notícia atualizada às 18h33]

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório