Meteorologia

  • 21 AGOSTO 2018
Tempo
28º
MIN 25º MÁX 32º

Edição

Greve dos camionistas no Brasil sobe preço da batata para... 116 euros

Milhões de litros de leite deitados fora, postos sem gasolina, autocarros sem circular, alimentos a escassear. O caos da paralisação dos camionistas brasileiros, ao quarto dia.

Notícias ao Minuto

19:47 - 24/05/18 por Anabela de Sousa Dantas 

Mundo Protesto

O Brasil assiste a uma escalada progressiva do preço dos combustíveis e dos alimentos por causa da greve dos camionistas, que vai já no quarto dia e sem sinais de cedência de alguma das partes.

A Associação Brasileira de Caminhoneiros (Abcam) indica esta quinta-feira que os bloqueios das estradas em mais de 20 Estados e no Distrito Federal (Brasília) estão a afetar gravemente o transporte e a distribuição de alimentos e combustíveis, levando à especulação de preços.

O Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis, Lubrificantes e Lojas de Conveniência no estado do Rio de Janeiro (Sindestado-RJ) adiantou, esta quinta-feira, que entre 80% a 90% dos postos de combustíveis do estado do Rio estão sem combustível. De acordo com o G1, há postos onde a pouca gasolina que existe está a ser vendida a preços agressivos, de cerca de 10 reais (2,33 euros) o litro, um valor quatro vezes superior ao normalmente praticado.

As consequências da paralisação, porém, não se resumem aos combustíveis. Dado que no Brasil a movimentação de bens alimentares entre Estados é feita com recurso ao transporte rodoviário, o abastecimento de alimentos está também a ser seriamente afetado, aumentando, por conseguinte, os preços.

Segundo reporta a imprensa brasileira, que cita comerciantes locais, os alimentos perecíveis são os casos mais graves, tendo começado a escassear já na quarta-feira, terceiro dia da greve. O presidente da Associação Comercial dos Produtores e Usuários da Ceasa do Rio adiantou que o saco de 50 quilos de batata, vendido normalmente a 50 reais (11 euros), já foi vendido a 500 reais (116 euros).

A produção de leite é outro setor a ser fortemente prejudicado: milhões de litros estão a ser deitados fora porque, com a falta de transporte, passam de validade.

A Fundação Procon (órgão público de defesa do consumidor) de São Paulo disse, através de comunicado, que os novos preços adotados por alguns estabelecimentos devido á falta de abastecimento constitui “uma prática abusiva”, como determina o Código de Defesa do Consumidor.

José da Fonseca Lopes, presidente da Abcam, fez saber, esta quinta-feira, que a greve só será suspensa se o Senado brasileiro aprovar, ainda hoje, o projeto de lei para reduzir o preço do diesel até ao final do ano. E mesmo que seja aprovado hoje, cita o Globo, a paralisação só cessa depois da medida ter recebido aprovação presidencial e ter sido publicado no Diário Oficial da União.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.