Meteorologia

  • 15 AGOSTO 2018
Tempo
20º
MIN 20º MÁX 20º

Edição

Teste de apenas dois minutos pode detetar autismo nos bebés

O teste observa como as crianças reagem a certos gestos, podendo constituir um importante primeiro passo na obtenção de diagnósticos.

Teste de apenas dois minutos pode detetar autismo nos bebés
Notícias ao Minuto

11:30 - 09/02/18 por Liliana Lopes Monteiro  

Lifestyle Patologias

Só em Portugal, para uma população de 10.000 pessoas há 10 pessoas com autismo e 2,5 com síndroma de Asperger. Na mesma população há 30 pessoas com perturbações globais do desenvolvimento no quadro do autismo.

Para os pais que desconfiam que o seu filho possa sofrer de autismo, conseguir um diagnóstico da patologia nem sempre é fácil. Sobretudo, porque os sintomas associados à doença podem ser difíceis de detetar em crianças com menos de três anos, e geralmente o diagnóstico só é possível por volta dos cinco.

Todavia, está a ser desenvolvido um estudo pela Universidade de Rutgers, nos Estados Unidos, com o intuito de auxiliar os pais e os médicos a identificarem os sinais mais cedo, quando a criança é ainda bebé.

Um questionário criado pela universidade, denominado de ‘Psychological Development Questionnaire (PDQ-1)’, é segundo os investigadores capaz de diagnosticar o autismo com 88% de exatidão.

O teste pede aos pais para estarem atentos às reações e para o comportamento em geral da criança: se o bebé aponta ou gesticula, se responde ao seu nome, se gosta de brincar ao esconde-esconde, se fala ou se relaciona com os outros.

Se os pais responderem mais ‘não’ do que ‘sim’ às questões colocadas, a pontuação no teste será considerada baixa, indicando que a criança poderá estar nesse espetro, sendo de seguida encaminhada para uma avaliação mais profunda.

O estudo avaliou 1959 crianças, de idades compreendidas entre os 18 e os 36 meses, à partida nenhuma delas registava problemas de desenvolvimento.

O coordenador da experiência e professor de pediatria na Universidade de Rutgers, Walter Zahorodny, afirma: “a disponibilidade de testes válidos e eficientes como o PDQ-1, pode melhorar a nossa habilidade para detetar mais rapidamente a patologia nos mais novos e acelerar assim a capacidade de intervenção dos clínicos”.

“Porém, o diagnóstico do autismo têm que ser feito através de uma avaliação profunda, feita por um profissional”, alerta Zahorodny. “Estes testes são fundamentais numa primeira fase, mas não são suficientes”.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.