Meteorologia

  • 21 JULHO 2018
Tempo
26º
MIN 25º MÁX 26º

Edição

Novo passo dado na investigação para 'atacar' tumores cerebrais

Equipa de cientistas vê na investigação levada a cabo "uma janela de oportunidade" para tornar o tratamento para tumores cerebrais agressivos mais eficaz.

Novo passo dado na investigação para 'atacar' tumores cerebrais
Notícias ao Minuto

08:40 - 17/12/17 por Melissa Lopes

Lifestyle UAlg

Uma equipa de investigação do Centro de Investigação em Biomedicina (CBMR) , da Universidade do Algarve (UAlg) revelou novos “alvos terapêuticos” para o tratamento do gliobastoma multiforme, o tumor cerebral mais comum e com taxa de mortalidade mais elevada. A investigação da equipa liderada por Patrícia Madureira acaba de ser publicada, num artigo científico, na Revista Cells.

Assumindo que o cancro é resultado da divisão celular descontrolada e que, neste tipo de tumor cerebral, se observa que a baixa concentração de oxigénio na região tumoral (denominada de hipóxia tumoral) está associada a uma maior capacidade de proliferação, invasão e disseminação das células cancerígenas, a equipa de investigação procura compreender de que forma esta situação contribui para que as células do tumor se tornem mais invasivas.

Num cancro cujo prognóstico dos pacientes é bastante reservado, com um tempo médio de vida de apenas 15 a 17 meses, o objetivo da equipa de cientistas é claro: ajudar a desenvolver, no futuro, terapias mais eficazes para este tipo de tumor tão mortífero, explicam.

Sendo a invasão tumoral a principal causa de morte dos pacientes com gliobastoma multiforme e também o principal obstáculo ao tratamento, os investigadores procuraram, para atingirem o seu objetivo, ir à raíz do problema. E foi isso que fizeram.

Com este trabalho, os investigadores do CBMR e do Brain Tumour Research Centre, da Universidade de Portsmouth, concluíram que existem diversas proteínas celulares envolvidas na promoção da invasão neste tipo de tumores cerebrais e que devem ser apontadas como potenciais alvos terapêuticos para o tratamento da doença. Alguns agentes químioterapêuticos estão já a ser testados em ensaios clínicos.

Uma vez que a terapia atual para este tipo de tumores envolve (quando possível) cirurgia, seguida de radioterapia e quimioterapia, verificando-se, na maior parte das vezes, uma resistência aos tratamentos, que leva à reincidência da doença, o desenvolvimento de novas abordagens terapêuticas afigura-se como essencial para o tratamento mais eficaz destes pacientes.

Tendo em conta que o tratamento para o gliobastoma multiforme não é alterado desde 2005, este passo dado pelos investigadores levanta, agora, "uma nova janela de oportunidade", refere a equipa da UAlg em comunicado. 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.