Meteorologia

  • 13 JUNHO 2024
Tempo
24º
MIN 14º MÁX 25º

Kate Middleton está a fazer quimioterapia preventiva. Em que consiste?

O Lifestyle ao Minuto esteve à conversa com Daniela Macedo, oncologista do Hospital Lusíadas Lisboa, sobre este tratamento comum em vários tipos de cancro, incluindo o da mama, cólon e recto, pulmão e alguns tumores ginecológicos.

Kate Middleton está a fazer quimioterapia preventiva. Em que consiste?

No vídeo em que anunciou ter sido diagnosticada com cancro, Kate Middleton revelou estar a ser submetida a quimioterapia preventiva, depois de uma cirurgia abdominal realizada em meados de janeiro ter dado conta da existência de um tumor maligno. Mas, afinal, o que se sabe sobre este tipo de tratamento que a princesa de Gales, de 42 anos, está a realizar?

Em Portugal, "é o que designamos de tratamento adjuvante", começa por esclarecer Daniela Macedo, oncologista do Hospital Lusíadas Lisboa, ao Lifestyle ao Minuto. Segundo a médica, trata-se do procedimento padrão "após o tratamento curativo, ou seja, a cirurgia [ou radioterapia, como pode ler-se no portal SNS24], de forma a evitar que a doença oncológica se volte a manifestar no local onde surgiu e à distância (metastização)". No fundo, reduz a possibilidade de remissão e a propagação do tumor. 

Leia Também: Kate Middleton diagnosticada com cancro. "Enorme choque" mas "estou bem"

O que acontece é que, após a cirurgia, "a peça operatória é avaliada e, de acordo com essa avaliação, estabelece-se os riscos de recidiva e é decidido se há ou não a necessidade dos tratamentos preventivos". A quimioterapia preventiva ajuda o doente a livrar-se de quaisquer células cancerígenas remanescentes que possam tornar-se malignas, ou seja, permite eliminar a probabilidade de doença residual.

Este é um tratamento comum em vários tipos de cancro, incluindo o da mama, cólon e recto, pulmão e alguns tumores ginecológicos. Os médicos optam por esta terapêutica "quando o risco de recidiva do tumor é muito elevado" e, normalmente, é realizada durante períodos que vão desde três meses a um ano, conforme o tipo de cancro. 

Por interferir com as células saudáveis do organismo, a quimioterapia pode levar ao aparecimento de sintomas como náuseas, vómitos, aftas, diarreia, prisão de ventre e queda de cabelo, por exemplo. Ainda assim, a oncologista Daniela Macedo faz questão de dizer que este tratamento "não provoca dor de forma direta". "Estamos a falar de medicamentos cujo mecanismo de ação é matar células em divisão celular acelerada."

Leia Também: Cancro de Kate. É normal sentir tristeza quando um famoso adoece?

Recomendados para si

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório