Meteorologia

  • 14 JUNHO 2024
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 26º

Jejum pode ajudar a prevenir Alzheimer, sugere estudo

A descoberta foi feita por um grupo de cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido.

Jejum pode ajudar a prevenir Alzheimer, sugere estudo
Notícias ao Minuto

21:35 - 31/01/24 por Notícias ao Minuto

Lifestyle Alimentação

Um grupo de cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, sugere que o jejum pode contribuir para prevenir o Alzheimer, uma doença neurodegenerativa que causa perda de memória e declínio cognitivo progressivos, perturbações da linguagem e até dificuldade em realizar tarefas como pagar contas e lidar com o dinheiro.

Num artigo publicado na Cell Reports, os cientistas apresentaram evidências de que a estratégia alimentar pode reduzir a inflamação do corpo, contribuindo para a prevenção de doenças.

Leia Também: Estudo lança dúvidas sobre possível transmissibilidade do Alzheimer

Durante a o estudo, os investigadores fizeram uma espécie de teste com 20 pessoas, instruídas a tomar um pequeno almoço com 500 calorias antes das oito horas e a jejuar nas 24 horas seguintes. O jejum era interrompido apenas na manhã do dia seguinte e, durante o intervalo, os voluntários só poderiam consumir água.

As amostras de sangue dos voluntários foram recolhidas após o primeiro pequeno almoço, no final das 24 horas de jejum e depois da refeição do segundo dia. No final do jejum, os resultados demonstraram níveis superiores de ácido araquidônico, um lipídio que armazena energia e transmite informações entre as células. Assim que os indivíduos comeram novamente, os níveis caíram.

Leia Também: Descoberto novo sintoma precoce de Alzheimer. Pode surgir aos 59 anos

Testes feitos em laboratório mostraram que níveis elevados de ácido araquidônico reduzem a atividade do inflamassoma NLRP3, uma célula inflamatória ligada ao Alzheimer e ao Parkinson. Quer isto dizer que o jejum parece atenuar a inflamação do corpo. "Isto sugere que o jejum regular durante um longo período pode ajudar a reduzir a inflamação crónica que associamos a estas condições" afirmam os autores do estudo.

Recorde-se que o Alzheimer é a forma mais comum de demência, um termo genérico utilizado para designar um conjunto de doenças que se caracterizam por alterações cognitivas que podem estar associadas a perda de memória, alterações da linguagem e desorientação no tempo ou no espaço. Para a maioria não existe tratamento. Porém, está provado que cerca de 40% das demências, como o Alzheimer (a forma mais comum de demência), podem ser prevenidas ou atrasadas.

A Organização Mundial de Saúde estima que existam 47.5 milhões de pessoas com demência em todo o mundo, número que pode chegar os 75.6 milhões em 2030 e quase triplicar em 2050, para 135.5 milhões. 

Leia Também: Há uma forma mais rápida de diagnosticar Alzheimer

Recomendados para si

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório