Meteorologia

  • 03 MARçO 2024
Tempo
11º
MIN 9º MÁX 15º

Investigadores portugueses vão desenvolver novo tratamento para AVC

A investigação está a ser feita pela Universidade de Coimbra, pela Universidade da Beira Interior e pela Stemlab.

Investigadores portugueses vão desenvolver novo tratamento para AVC
Notícias ao Minuto

14:56 - 07/12/23 por Lusa

Lifestyle Saúde

Uma investigação conduzida pela Universidade de Coimbra (UC), pela Universidade da Beira Interior (UBI) e pela Stemlab vai receber 150 mil euros para criar um tratamento para acidentes vasculares cerebrais (AVC) isquémicos a partir de células estaminais. "A equipa pretende trazer novas respostas para os constrangimentos no acesso a tratamentos para este problema de saúde", afirmou a UC, numa nota de imprensa enviada hoje à agência Lusa.

Intitulado 'REPAIR - Reparar e Recuperar no AVC isquémico: novas estratégias de terapia celular', o projeto é apoiado pela Fundação "la Caixa", no âmbito do concurso 'Promove', realizado em colaboração com o BPI e em parceria Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

Leia Também: Estudo feito em Coimbra ajuda a desvendar estratégias do cérebro

O trabalho de investigação vai decorrer durante três anos, unindo esforços entre a academia e a indústria para a utilização de terapia celular e a sua modelação por exposição a atmosfera de hipóxia, isto é, níveis de oxigénio mais baixos do que os normalmente aplicados em condições laboratoriais, esclareceu o investigador do Centro de Neurociências e Biologia Celular da UC (CNC-UC), Bruno Manadas.

O AVC isquémico acontece quando o fluxo de sangue no cérebro é reduzido ou interrompido, afetando as células cerebrais, que deixam de funcionar normalmente devido à falta de oxigénio e de nutrientes.

Este novo tratamento, desenvolvido pela equipa do REPAIR, consiste na administração de células estaminais mesenquimais do cordão umbilical, ou o seu secretoma, na fase pós-aguda do AVC isquémico, ou seja, fase a seguir ao período crítico, quando deve ser implementado o tratamento.

De acordo com a UC, estas abordagens têm revelado enorme potencial terapêutico em várias doenças graves em modelos pré-clínicos.

No caso do AVC isquémico, podem ser determinantes para "a modulação parácrina dos processos inflamatórios e neuroproteção, elementos cruciais para a redução das perdas de capacidades e aceleração do processo de recuperação funcional", sublinhou Bruno Manadas.

Na equipa do projeto REPAIR integra também o investigador do CNC-UC e docente da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC Carlos Duarte, a docente e investigadora da UBI Graça Baltazar e a responsável de Investigação e Desenvolvimento da Crioestaminal Carla Cardoso.

Este trabalho conta ainda com a colaboração do diretor da Unidade de Investigação Neurovascular da Universidade Complutense de Madrid, Ignacio Lizasoain.

Leia Também: Cinco alimentos que protegem a saúde cognitiva. Tenha-os sempre em casa

Recomendados para si

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório