Meteorologia

  • 24 FEVEREIRO 2024
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 15º

Novo teste prevê o risco do tipo de demência mais comum

Investigadores sugerem que o exame identifica a doença quase 20 anos antes dos primeiros sintomas.

Novo teste prevê o risco do tipo de demência mais comum
Notícias ao Minuto

08:19 - 20/09/23 por Notícias ao Minuto

Lifestyle Alzheimer

Investigadores australianos combinaram a nanotecnologia, a inteligência artificial e a biologia molecular e conceberam um novo teste que consegue identificar o risco do tipo de demência mais comum. Aliás, mais especificamente, os cientistas utilizam esta técnica para encontrar os marcadores de proteínas da doença de Alzheimer no sangue.

Hoje em dia, esta doença "é diagnosticada principalmente com base na evidência de deterioração mental, altura em que já danificou gravemente o cérebro", explicou o coautor, Patrick Kluth, da Universidade Nacional Australiana, citado na New Atlas.

Leia Também: Cinco sintomas de Alzheimer que pode estar a ignorar

Além disso, muitas vezes, "a deteção precoce, que é vital para um tratamento eficaz, envolve procedimentos hospitalares invasivos e dispendiosos, como uma punção lombar, que podem ser física e mentalmente desgastantes para os doentes", acrescenta. 

Por isso, os investigadores desenvolveram um chip de silicone ultrafino coberto de minúsculos orifícios de dimensão nanométrica. Como é utilizado? É colocada uma pequena quantidade de sangue no chip e, através de um processo de translocação, os cientistas conseguem isolar misturas complexas de proteínas no sangue.

Depois, o chip será inserido num dispositivo do tamanho de um telemóvel, onde um algoritmo de inteligência artificial procura assinaturas de proteínas que correspondessem às associadas à doença de início precoce.

Leia Também: Oito mudanças simples que ajudam a proteger o seu cérebro

Quando testaram este método, os investigadores descobriram que o modelo apresentava um grau de precisão significativo e elevado (mais especificamente de 96,4%), algo que foi relatado no estudo disponibilizado na Small Methods, uma revista científica. 

Descobrir "o seu nível de risco com tanta antecedência, faz com que tenha muito tempo para começar a fazer mudanças positivas no seu estilo de vida e adotar estratégias de medicação que possam ajudar a retardar a progressão da doença", afirmou o coautor Shankar Dutt, investigador na mesma universidade. 

Para terminar explica que "o teste rápido e simples poderia ser efetuado por médicos de clínica geral e outros clínicos, o que eliminaria a necessidade de uma visita ao hospital e seria especialmente conveniente para as pessoas que vivem em zonas regionais e remotas". 

Leia Também: Alzheimer. Três vacinas comuns podem ajudar a prevenir esta doença

Recomendados para si

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório