Meteorologia

  • 15 JULHO 2024
Tempo
21º
MIN 18º MÁX 26º

"Pressão social pode levar a perturbações de autoimagem"

A frase é do neuropsicólogo e hipnoterapeuta Alberto Lopes, diretor clínico da Clínica Dr. Alberto Lopes - Psicologia & Hipnose Clínica e de Cátia Costa Lopes, licenciada em psicologia, igualmente da Clínica Dr. Alberto Lopes - Psicologia & Hipnose Clínica. Neste artigo de opinião. abordam a questão das redes sociais e da opressão da imagem idealizada.

"Pressão social pode levar a perturbações de autoimagem"
Notícias ao Minuto

18:41 - 07/06/23 por Notícias ao Minuto

Lifestyle Artigo de opinião

Se pensarmos que a imagem idealizada é um dos meios usados por todos nós, no intuito de ser aceites pelos outros, essa idealização traz complicações vivenciais terríveis como a anorexia e bulimia nervosa. Assumimos uma imagem irrealista, sendo oprimidos por ela.

Sabemos que a autoimagem e a aceitação do corpo são questões fundamentais para a saúde mental e física das pessoas. No entanto, são muitas as pessoas que lutam diariamente para aceitar o seu corpo e são influenciadas pela imagem corporal imposta pelos media e pela sociedade em geral. Essa pressão social pode levar a perturbações de autoimagem, como a dismorfia corporal - uma perturbação psicológica que tem como base uma preocupação excessiva com o corpo, ou falhas percebidas na aparência física que não são observáveis ou parecem ligeiros aos outros. Esta preocupação causa mal-estar clinicamente significativo, gerando ansiedade, tensão desamparo e hipersensibilidade à crítica, sentimentos de culpa, autodepreciação e desvalorização pessoal. Este tipo de pessoas usualmente, julgam a autoestima com base na forma corporal, sobrevalorizando pequenas imperfeições ou imaginando-as de forma negativa. E isso tem um impacto significativo na autoestima, assim como pode afetar o individuo em termos pessoais e profissionais.

Notícias ao Minuto © Alberto Lopes e Cátia Costa Lopes

É realmente muito importante que as pessoas entendam que a imagem corporal idealizada pelos media é irrealista e, sejamos francos, inalcançável para a maioria das pessoas. A pressão para se adequar a essa imagem idealizada pode levar a dietas extremas e perigosas - as 'dietas ioiô' -, como a restrição calórica excessiva e o uso de laxantes ou diuréticos, que podem ter efeitos colaterais graves para a saúde física e mental.

Leia Também: Não se deixe enganar. É isto que uma dieta super restritiva faz ao corpo

Não adianta fugir da questão. A eterna busca do corpo e imagem perfeitos pode resultar em disfunções alimentares extremas e difíceis de tratar, a exemplo, ocorre-me neste momento a anorexia e bulimia nervosa. São perturbações suficientemente graves que não raras vezes levam a consequências perturbadoras para a saúde física e mental e, no limite, a internamentos compulsivos para salvar a vítima desta síndrome da autodestruição.

Vivemos numa sociedade de equívocos, a busca da imagem idealizada - a selfie perfeita, imposta pelos media, redes sociais e também pelo mundo da moda, levam a uma busca pelas famosas 'dietas da moda'. São regimes alimentares quase sempre irrealista e que prometem resultados rápidos na perda de peso, mas geralmente carecem de evidências científicas sólidas, ou são apenas mitos sem evidências que as sustentam. Essas dietas muitas vezes envolvem a eliminação radical de grupos alimentares ou nutrientes essenciais, o que pode levar a deficiências nutricionais e a outros problemas de saúde levando a picos de ansiedade extrema e a sentimentos de culpa autodirigida com grande impacto na autoimagem. Muitas vezes, essas dietas podem desencadear comportamentos alimentares desordenados, como compulsão alimentar e restrição alimentar excessiva, resultando em perturbações alimentares graves, como anorexia e bulimia nervosa.

Leia Também: Dia Mundial da Tiroide. Qual o papel desta pequena glândula no organismo?

Atente-se, por exemplo, na famigerada anorexia nervosa. Esta síndrome é caracterizado por uma restrição severa na ingestão de alimentos, prática excessiva de exercícios físicos, e imagem corporal distorcida. Geralmente esta perturbação alimentar acarreta muito sofrimento para a vítima e para os seus familiares, que se sentem impotentes para ajudar. Esta problemática inclui perda significativa de peso e risco para a saúde física e mental. Esta é uma perturbação muito grave que requer tratamento multidisciplinar para a recuperação do peso saudável, melhoria da imagem corporal e uma psicoeducação para a adoção de hábitos alimentares saudáveis. Outra perturbação alimentar inóspita e que resulta da idealização social, é a bulimia nervosa. Neste caso, é caracterizada por episódios de compulsão alimentar seguidos de comportamentos compensatórios inapropriados - como a ingestão episódica e massiva de alguns alimentos.

Naturalmente, o comer excessivamente vai-se traduzir em sentimentos de culpa na autoimagem e o medo intenso de ganhar peso levando ao aparecimento do ciclo compulsão e purgação, e podem manifestar-se com sintomatologia depressivas e/ou ansiogénicas, perturbação de sono e comportamentos obsessivos versus compulsivos - personalidades do tipo Cluster B, são os sentimentos mais comuns a estes indivíduos. Como resultado as consequências físicas e mentais são desastrosas, requerendo tratamento multidisciplinar para a interrupção do ciclo de compulsão e purgação, mas sobretudo torna-se necessário uma psicoeducação na melhoria da imagem corporal e adoção de hábitos alimentares saudáveis.

Se pensarmos que 'cada caso é um caso', uma dieta alimentar saudável deve ser essencialmente funcional e adaptada a cada indivíduo. Mas sobretudo adaptada às necessidades individuais do corpo de cada um. Naturalmente, considerando as especificidades biológicas, fisiológicas e sociais de cada pessoa.

Leia Também: Eis os alimentos que deve ter sempre em casa (palavra de nutricionista)

As chamadas 'dietas da moda' que impõem regras específicas e rígidas, com alimentos proibidos ou permitidos em tempos determinados, ignoram as necessidades individuais do organismo e tratam o corpo como um padrão universal. Essa abordagem generalizada pode levar a complicações nutricionais e problemas de saúde, uma vez que as necessidades nutricionais variam entre os indivíduos. Recordo que a alimentação deve ser vista como uma abordagem holística, levando em consideração não apenas a nutrição, mas também o bem-estar mental e social do indivíduo por forma que a sua autoimagem, seja fortalecida dentro de um padrão saudável e equilibrado.

Para ajudar as pessoas a lidar com a pressão social em relação à imagem corporal, é importante que elas desenvolvam uma autoimagem positiva e aprendam a aceitar seus corpos como eles são. O principal objetivo de uma dieta equilibrada é a de devolver a estabilidade, mas fazê-lo de forma realista. Mas a pressão social e as dietas da moda fazem com que se passe de um desequilíbrio para outro. Por outras palavras, tenho para mim que uma dieta que resulta é sempre aquela que traduz um final feliz, em termos emocionais e físicos. Os profissionais de saúde, como nutricionistas, psicólogos e coaches de imagem, podem desempenhar um papel importante na promoção de uma autoimagem positiva e na prevenção de transtornos alimentares.

Pessoalmente, recomendo uma abordagem multidisciplinar como ao uso de orientação nutricional, hipnose clínica e o coaching simultaneamente, podem ser ferramentas valiosas na promoção de uma autoimagem positiva e na prevenção de transtornos alimentares. A hipnose clínica, por exemplo, é uma abordagem natural, inócua e não invasiva que pode ajudar as pessoas a superar as distorções cognitivas, obstáculos mentais e bloqueios emocionais que possam estar afetando a sua relação com a comida e com a imagem do seu corpo. São abordagens que ajudam a entender que um corpo saudável é mais importante do que um corpo magro.

Leia Também: Se sofre de fadiga e queda de cabelo, passe a comer isto mais vezes

É preciso reconhecer o impacto que a representação idealizada da beleza tem nas pessoas e trabalhar para promover uma imagem corporal saudável e realista. Os media, as empresas de moda e beleza podem trabalhar para promover a diversidade de tamanhos e formas corporais em anúncios e campanhas na promoção dos seus produtos.

Em resumo, a autoimagem e a aceitação do corpo são questões fundamentais para a saúde mental e física das pessoas. É importante ensinarem as pessoas a valorizar os seus pontos fortes, as suas realizações pessoais, em vez de apenas a sua aparência física. Isso pode ser mais facilmente alcançado através de práticas terapêuticas, como a hipnose clínica, que pode ajudar a reprogramar as crenças e padrões de pensamento negativos em relação à imagem corporal, já que a hipnose trata a raiz do problema. A hipnose apresenta soluções novas para problemas antigos sendo uma abordagem natural, inócua e não-invasiva faz uso dos recursos internos da e desbloqueia o que porventura possa estar a afetar emocionalmente o paciente.

No caso dos transtornos alimentares, como anorexia nervosa e bulimia nervosa, são doenças graves, mas que podem ser prevenidas com a ajuda de especialistas e profissionais de saúde e uma mudança na cultura e na média que promove uma imagem corporal saudável e realista.

Leia Também: Aumentou de peso nos últimos anos? Surpreenda-se: Este pode ser o motivo

Recomendados para si

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório