Meteorologia

  • 17 JUNHO 2024
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 22º

Álcool e os seus efeitos (muito graves) no fígado

Para sublinhar a ligação das bebidas alcoólicas, com o desenvolvimento das doenças hepáticas crónicas, José Presa, médico e presidente da Associação Portuguesa para o Estudo do Fígado, assina este artigo de opinião.

Álcool e os seus efeitos (muito graves) no fígado
Notícias ao Minuto

21:02 - 09/01/23 por Notícias ao Minuto

Lifestyle Artigo de opinião

O consumo de álcool está enraizado nos hábitos da população portuguesa, manifestando-se até nas faixas etárias mais jovens. De acordo com dados do Eurostat, Portugal é considerado o país da União Europeia com o consumo de álcool diário mais elevado, havendo uma incidência superior no sexo masculino. 

No entanto, todos os excessos têm as devidas consequências e é mais importante do que nunca sublinhar a ligação das bebidas alcoólicas com o desenvolvimento das doenças hepáticas crónicas, a quarta maior causa de morte precoce no país e, na sua generalidade, derivada do consumo de álcool.

Leia Também: 'Dry January'. Os benefícios de não beber álcool durante um mês

Se pretende cortar o mal pela raiz e prevenir-se, pode aproveitar a oportunidade de começar o ano com melhores hábitos, aderindo à segunda edição da iniciativa 'Janeiro Sem Álcool', da Associação Portuguesa para o Estudo do Fígado (APEF).

A campanha, que decorre internacionalmente sob o mote '31 Dias Sem Álcool', objetiva consciencializar a população para os danos causados pelo álcool e as patologias que advêm do seu consumo, como é o caso da cirrose, a fase mais avançada da doença hepática alcoólica.

Notícias ao Minuto José Presa© Associação Portuguesa para o Estudo do Fígado

No entanto, é crucial entender que o início destas condições é silencioso e passa pela acumulação de gordura no fígado, um distúrbio conhecido por esteatose hepática ou fígado gordo, e que afeta cerca de 80% dos consumidores, já que o álcool facilita a concentração de ácidos gordos. 

Esta gordura pode ser detetada com uma simples ecografia à região do abdómen, verificando-se através da visualização do fígado aumentado. Nas fases iniciais da patologia, é possível ser-se assintomático ou apresentar sinais como mal-estar, fadiga, dor na zona superior do abdómen, alterações no apetite e inchaço. No entanto, a evolução para quadros clínicos mais graves está associada a problemas de saúde mais debilitantes:

  • Deterioração da função cerebral (encefalopatia hepática);
  • Hemorragias;
  • Pele e olhos com tonalidade amarela (icterícia);
  • Acumulação de líquido no interior da barriga (ascite);
  • Cancro do fígado (carcinoma hepatocelular).

Leia Também: É possível que exista solução para doença do fígado considerada incurável

Ainda que as lesões no fígado, no caso da cirrose, sejam permanentes e com a probabilidade de descompensação e falência do órgão, existe uma terapêutica associada e que pode atrasar a progressão desta doença que destrói o fígado e a sua capacidade de filtragem de elementos prejudiciais no sangue. 

Nos casos iniciais, é possível minimizar os danos deixando de ingerir álcool e adotando uma dieta nutritiva, pobre em gorduras e rica em nutrientes. Por outro lado, nos estádios mais graves, poderá ser recomendada medicação que controle os sintomas.

O transplante do fígado é apenas indicado quando o seu funcionamento está gravemente comprometido e as outras formas de tratamento não estão a ser eficazes. 

Leia Também: A bebida alcoólica que faz menos estragos ao seu fígado

Visto que o álcool é um dos elementos na base do desenvolvimento da doença hepática e as suas complicações potencialmente mortíferas, é necessário adotar uma postura reflexiva sobre o consumo deste tipo de bebidas, analisando comportamentos como:

  • Dificuldade em parar de beber;
  • Consumo isolado, fora de situações sociais;
  • Indícios físicos de abstinência (ansiedade, tremores, suores excessivos, entre outros);
  • Priorização do consumo em relação às restantes atividades do quotidiano;
  • Agressividade ao ser confrontado com a dependência.

Se enfrenta este problema ou conhece alguém com atitudes aditivas, não hesite em recorrer a ajuda médica. Poderá ser necessário estabelecer um apoio multidisciplinar, que incida igualmente na esfera física e psicológica, englobando desde o hematologista ao psicólogo clínico. Desafie-se, com a ajuda da APEF, e torne o seu janeiro (e o resto do ano) isento de álcool. 

Leia Também: Cirrose hepática: O que é, sintomas, causas e a relação com o álcool

Recomendados para si

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório