Meteorologia

  • 15 AGOSTO 2022
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 27º

Medicamentos contra hiperatividade ajudam a tratar doenças degenerativas?

É o que demonstra uma revisão de 19 estudos feito por instituições britânicas.

Medicamentos contra hiperatividade ajudam a tratar doenças degenerativas?
Notícias ao Minuto

07:39 - 07/07/22 por Notícias ao Minuto

Lifestyle Saúde

O metilfenidato (vulgarmente designado por ritalina) e outros medicamentos usados no tratamento de casos de perturbação de hiperatividade e défice de atenção demonstraram potencial para aliviar os sintomas da demência, concluíram investigadores das universidades de Cambridge, do London College e do Imperial College London, no Reino Unido, que fizeram uma revisão de 19 estudos. 

Depois de analisarem os dados de cerca de dois mil doentes entre os 65 e 80 anos, os cientistas descobriram que  os indivíduos apresentavam uma melhoria "pequena, mas significativa" na cognição, memória, fluência verbal e linguagem. Também notaram uma diminuição considerável da apatia, um sintoma comum em idosos com Alzheimer.

Segundo o estudo, publicado na revista científica Journal of Neurology, Neurosurgery & Psychiatry, estes fármacos lidam com a noradrenalina, uma substância ligada a uma rede de neurónios que é imprescindível nos processos cognitivos.

Todavia, a responsável pelo instituto de pesquisa de Alzheimer do Reino Unido, Rosa Sancho, alerta: "Não sabemos se os benefícios são maiores do que os riscos". Os principais efeitos secundários destes medicamento são a perda de apetite e dificuldades para dormir, mas também podem incluir taquicardia e pressão alta.

Demência é um termo genérico utilizado para designar um conjunto de doenças que se caracterizam por alterações cognitivas que podem estar associadas a perda de memória, alterações da linguagem e desorientação no tempo ou no espaço. Para a maioria não existe tratamento e também não há uma forma definitiva de prevenir a demência. 

Recorde-se que a Organização Mundial de Saúde estima que existam 47.5 milhões de pessoas com demência em todo o mundo, número que pode chegar os 75.6 milhões em 2030 e quase triplicar em 2050, para 135.5 milhões. A doença de Alzheimer representa cerca de 60 a 70% de todos os casos de demência.

Leia também: Como reduzir para metade o risco de desenvolver demência

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório