Meteorologia

  • 27 MAIO 2022
Tempo
32º
MIN 16º MÁX 35º

'Covid persistente': Estas pessoas estão em elevado risco

Uma equipa de investigadores descobriu quatro fatores que podem explicar porque é que alguns indivíduos continuam a sofrer as consequências da Covid-19 meses depois de terem sido infetados. 

'Covid persistente': Estas pessoas estão em elevado risco
Notícias ao Minuto

12:20 - 27/01/22 por Notícias ao Minuto

Lifestyle Covid-19

Depois de quase dois anos de pandemia, o SARS-CoV-2 ainda guarda muitos mistérios, mas os cientistas estão cada vez mais perto de descobrir porque é que algumas das pessoas infetadas com Covid-19 parecem não conseguir livrar-se do novo coronavírus com tanta facilidade. Um grupo de investigadores da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, identificou quatro fatores que podem estar relacionados com a chamada 'Covid persistente'. 

Os autores do estudo, publicado na revista científica Cell, acompanharam mais de 200 pacientes, durante um período de dois a três meses, após o diagnóstico de Covid-19. Foram analisadas amostras de sangue e feitos testes com zaragatoas, entre 2020 e o início de 2021. A partir dessas análises, os cientistas identificaram fatores biológicos que podem ajudar a prever a chamada 'Covid longa'.

Segundo os investigadores, o nível de RNA (carga viral) do coronavírus no sangue, logo no início da infeção, é um dos fatores de risco. Ainda assim, ressalvam, pessoas com baixa carga viral podem também apresentar sequelas da doença.

A presença de determinados autoanticorpos, ou seja, anticorpos que 'atacam' o  próprio organismo, comuns em pessoas diagnosticadas com lúpus e artrite reumatoide, também aumentam as hipóteses de 'Covid persistente'. 

O terceiro fator de risco é a reativação do vírus EBV, o agente infecioso conhecido por provocar mononucleose, vulgarmente conhecida por 'doença do beijo'. Quem tem diabetes tipo 2 também está em maior risco de sofrer os efeitos da doença por meses. 

Contudo, os autores alertam para a necessidade de mais estudos, devido às limitações desta investigação, que envolveu apenas 209 participantes, dos quais 37% apresentavam três ou mais sintomas de 'Covid longa', dois a três meses após a infeção. Outros 24% padeciam de um ou dois sintomas e 39% não tinham sintomas persistentes.

Do grupo de pessoas com três ou mais sintomas, 95% apresentava um dos quatro fatores associados à doença, sendo que a maioria (dois terços dos doentes) tinha autoanticorpos. Os outros três fatores foram identificados entre os restantes, sendo que alguns dos doentes apresentavam mais do que um.

Além de cansaço, recorde-se que os doentes que sofrem de 'Covid longa' queixam-se de dores de cabeça, nevoeiro mental, falta de ar, dificuldade em adormecer e ansiedade. Estas sequelas podem durar, pelo menos, oito meses. 

Leia Também: Ómicron tem capacidade 2,4 maior de se ligar a enzima de células humanas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório