Meteorologia

  • 24 OUTUBRO 2021
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 25º

Edição

Estudo: 73% dos doentes internados com Covid-19 grave têm alucinações

Uma pesquisa realizada com 150 pacientes hospitalizados que sofriam de Covid-19 grave no centro médico-académico Michigan Medicine, nos Estados Unidos, revelou que 73% dos indivíduos experienciaram episódios de 'delirium' ou alucinações enquanto permaneceram internados.

Estudo: 73% dos doentes internados com Covid-19 grave têm alucinações
Notícias ao Minuto

10:39 - 22/09/21 por Notícias ao Minuto 

Lifestyle delirium tremens

Os dados apurados no início da pandemia da Covid-19, mais precisamente entre 1 de março e 31 de maio de 2020, foram recentemente divulgados na publicação científica BMJ Journals e citados pela revista Galileu.

Porém, não é a primeira vez que é estabelecida uma relação entre a infeção pelo novo coronavírus e episódios de confusão mental ou nos casos mais graves de alucinações. 

Já em maio do ano passado, um estudo composto por 3.550 pacientes sugeria que pessoas internadas com o novo coronavírus SARS-CoV-2 podiam experienciar delírios, confusão e agitação mental. Ainda que até ao momento os cientistas não estejam completamente certos sobre que mecanismo possa estar por trás destas aflições.

Leia Também: Quem teve Covid pode sofrer uma "queda substancial" na inteligência

E de modo a tentar discernir com maior precisão o porquê da ocorrência destes casos de declínio cerebral, agora os investigadores norte-americanos analisaram registos médicos de pacientes e basearam-se em informações facultadas através de entrevistas por telefone após os doentes afetados receberem alta hospitalar, de forma a tentar encontrar um padrão comum entre os indivíduos que haviam experienciado episódios de alucinações durante o internamento.

De acordo com os académicos, confirma-se que a própria gravidade da doença está diretamente relacionada ao aumento do risco de padecer do quadro. Isto é, os pacientes que sofreram de disfunção cognitiva tinham passado mais tempo em Unidades de Cuidados Intensivos, necessitaram de ser sujeitos a ventilação mecânica por vários dias e estavam ainda mais propensos a precisar de hemodiálise. 

Adicionalmente, já era sabido que a Covid-19 em si pode provocar a diminuição drástica de níveis de oxigênio no cérebro, assim como intensificar o risco de incidência de coágulos sanguíneos, que por sua vez podem gerar um comprometimento cognitivo.

Mais ainda, destaca a revista Galileu, os investigadores detetaram que os marcadores inflamatórios nos pacientes que experienciaram alucinações estavam bastante elevados durante o período de internamento, potencialmente indicando que a confusão e agitação podem ter sido igualmente o resultado da inflamação cerebral.

Por fim, uma correlação direta entre os episódios de delírio e a administração de sedativos durante o estudo também foi notória. Tal, indicando que os doentes com Covid-19 que experienciaram um estado de confusão mental eram sedados mais frequentemente e, muitas vezes, em doses mais altas.

"Descobrimos que os pacientes com Covid-19 grave eram inerentemente mais delirantes e agitados no início do estudo, talvez levando ao uso de mais sedativos", disse Phillip Vlissides, médico do Departamento de Anestesiologia do centro médico académico Michigan Medicine e autor da pesquisa, num comunicado emitido à imprensa. 

Leia Também: Aduhelm é o novo medicamento a ser aprovado contra Alzheimer em 18 anos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório