Meteorologia

  • 28 SETEMBRO 2021
Tempo
20º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

Médicos sabem pelos seus olhos se está a sofrer de Covid persistente

Um novo estudo indica que é possível discernir se pacientes sofrem de Covid persistente ou Covid longa através de um simples exame ocular.

Médicos sabem pelos seus olhos se está a sofrer de Covid persistente

Muitas pessoas com a condição podem não receber um diagnóstico formal, porque não têm prova de um teste de positivo de Covid-19. 

Todavia, de acordo com um novo estudo publicado no British Journal of Ophthalmology, um exame ocular pode tornar-se numa ferramenta útil para detetar indivíduos afetados pela chamada Covid persistente. 

Leia Também: Ter estes cinco sintomas pode prever se irá sofrer de Covid persistente

Investigadores liderados por Gulfidan Bitirgen da Universidade de Necmettin Erbakan, na Turquia, observaram danos nos nervos na córnea - uma cúpula clara sobre a frente do olho que protege a pupila e a íris.

Mudanças na córnea têm sido observadas em muitas outras doenças, como diabetes, esclerose múltipla e fibromialgia.

O dano do nervo na córnea pode ser detetado através de uma técnica de laser não-invasiva denominada microscopia confocal da córnea (CCM).

Os investigadores utilizaram o CCM para examinar os olhos de 40 pessoas que já haviam feito o teste da Covid e testado positivo, e de 30 pessoas saudáveis que não o fizeram.

Sobreviventes do novo coronavírus foram questionados sobre os seus sintomas persistentes para avaliar a gravidade da condição.

O estudo alegou que os pacientes que relataram ter sintomas persistentes do coronavírus SARS-CoV-2 registaram um nível mais elevados de danos e perda da fibra nervosa da córnea.

Estes pacientes apresentaram igualmente dendríticas aumentadas (DC), um tipo de célula do sistema imunitário.

Havia uma ligação clara entre a pontuação total no teste de gravidade da Covid longa, variando de zero a 26, e os danos aos nervos da córnea.

A professora Bitirgen escreveu no artigo: "por aquilo que sabemos, este é o primeiro estudo que relata a perda do nervo da córnea e um aumento na densidade de DC em pacientes que recuperaram da Covid-19, especialmente em indivíduos com sintomas persistentes e consistentes com Covid longa". 

"Os dados apurados são consistentes com um processo imunológico e inflamatório inato caracterizado pela migração e acumulação de Dcs na córnea central em várias condições imuno mediadas e inflamatórias". 

"A microscopia confocal da córnea pode ter utilidade clínica como um teste oftálmico objetivo rápido para avaliar pacientes com Covid longa", concluiu a investigadora.

Leia Também: Tomar duas doses da vacina "reduz risco de Covid persistente em um terço"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório