Meteorologia

  • 10 AGOSTO 2020
Tempo
24º
MIN 18º MÁX 27º

Edição

Vacina para a Covid-19 da Pfizer e BioNTech mostra resultados positivos

Uma vacina experimental para a Covid-19, que está a ser desenvolvida pela farmacêutica Pfizer e pela BioNTech, estimulou respostas positivas no sistema imunitário de pacientes saudáveis, mas também provocou febre e outros efeitos secundários, sobretudo quando administrada em doses elevadas.

Vacina para a Covid-19 da Pfizer e BioNTech mostra resultados positivos

Os primeiros dados clínicos sobre a vacina foram divulgados nesta quarta-feira, dia 1 de julho, num artigo publicado no MedRXix, um servidor de preprints, o que significa que ainda não foi revisto pelos seus pares ou publicado numa revista científica. 

O estudo da Pfizer administrou aleatoriamente uma de três doses da vacina ou um placebo em 45 pacientes. Doze receberam uma dose de 10 microgramas, uma dose de 12 a 30 μg , e outra de 12 a 100 μg, enquanto nove receberam um placebo. A dose de 100 μg provocou febre em metade dos voluntários; e como tal, a segunda dose foi mais baixa. 

Após a administração de uma segunda injeção três semanas depois das outras doses, 8,3% dos pacientes no grupo de 10 μg e 75% dos indivíduos no grupo de 30 μg tiveram febre. Mais de 50% dos pacientes que receberam uma dessas doses reportaram ter experienciado algum tipo de efeito secundário, incluindo febre e distúrbios do sono. Sendo que nenhum destes efeitos colaterais foi considerado sério, o que significa que não resultaram em internamento hospitalar ou incapacidade e não representaram risco de vida. 

A vacina gerou anticorpos contra o SARS-CoV-2, o vírus causador da Covid-19, e alguns desses anticorpos conseguiram neutralizá-lo, ou seja, ao que parece foram capazes de impedir o funcionamento do vírus. Os níveis de anticorpos eram entre 1.8 a 2.8 superiores aos níveis encontrados em doentes que recuperaram da doença. 

Porém, ainda não é certo que um índice mais elevado de anticorpos gere imunidade. De modo a provar esse ponto, a Pfizer necessita de conduzir estudos a larga escala com o intuito de provar que as pessoas que receberam a vacina têm pelo menos uma probabilidade 50% menor de ficarem infetadas. Esses estudos deverão começar ainda este verão, sobretudo nos Estados Unidos. 

A Pfizer está a testar quatro versões diferentes da vacina, mas apenas uma irá ser usada nos estudos futuros. 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório