Meteorologia

  • 21 NOVEMBRO 2018
Tempo
11º
MIN 9º MÁX 13º

Edição

A saber. Será que tomar ómega-3 faz de facto bem ao cérebro?

Os suplementos de ómega-3 são dos mais consumidos no mundo inteiro. Estima-se que só nos Estados Unidos, esta substância seja ingerida por mais 19 milhões de pessoas.

A saber. Será que tomar ómega-3 faz de facto bem ao cérebro?
Notícias ao Minuto

07:00 - 21/06/18 por Liliana Lopes Monteiro  

Lifestyle Mito ou facto

Há um motivo para as cápsulas à base de óleo de peixe e para outros suplementos de ómega-3 serem tão populares. “Os ácidos gordos do ómega-3 desempenham um papel fundamental em muitos dos processos cerebrais fundamentais do ser humano”, explica Simon Dyall à revista norte-americana TIME, o académico e chefe do departamento de nutrição da Universidade de Bournemouth, no Reino Unido.

Os ácidos gordos poli-saturados do ómega-3 – nomeadamente o EPA e o DHA – e os seus metabólitos influenciam a expressão genética, o stress oxidativo, o fluxo sanguíneo cerebral, os níveis dos neurotransmissores, e outros processos mentais, tais como a produção de novos neurónios, explica Dyall. O DHA em particular é um elemento essencial para a construção das membranas das células cerebrais. Ou seja, de um ponto de vista molecular – tal como uma casa sem tijolos ou paredes – o cérebro não existiria sem os ácidos do ómega-3.

O que ainda não está claro é se engolir um comprimido de óleo de peixe pode de facto melhorar as funções cognitivas ou proteger a saúde mental.

“Existem bastantes dados que apontam que o consumo de ómega-3 têm efeitos favoráveis no cérebro, mas quaisquer evidências relativas à sua ingestão em forma de suplemento ainda são inconclusivas”, afirma Aron Barbey, também em depoimento à TIME, professor e diretor do Centro para a Plasticidade do Cérebro, da Universidade de Illinois, em Urbana-Champagne.

A pesquisa de Barbey relaciona altos índices de ómega-3 com uma melhoria das funções cognitivas e também com o aumento de volume de certas estruturas cerebrais. Porém, Barbey alerta que estas conclusões são estritamente correlacionais – o que significa que não demonstram sem sombra de dúvida que consumir ómega-3 através da alimentação ou de suplementos produza esses benefícios. E sublinha que ainda é necessária a realização de ensaios aleatórios controlados para provar que o óleo de peixe causa mudanças positivas no funcionamento do cérebro ou que retrai o seu envelhecimento.

Já Dyall sublinha: “É possível – e aliás, muito provável – que o consumo a longo prazo desta substância seja muitíssimo benéfica. No entanto, e até ao momento, ninguém sabe inteiramente, as quantidades ou tipos de ómega-3 que os indivíduos necessitam ou por quanto tempo o devem tomar, ou até qual é a melhor forma do ingerir”.

Por todas estas razões, os especialistas aconselham que a população coma alimentos ricos neste componente, em detrimento de ingerir comprimidos.

Peixes gordos como o salmão, a truta ou a sardinha estão entre as maiores fontes dietéticas naturais de ómega-3.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório