Meteorologia

  • 25 OUTUBRO 2021
Tempo
22º
MIN 14º MÁX 23º

Edição

Entrada da China na EDP "é "caso de sucesso para economia portuguesa"

O presidente do Conselho-geral de Supervisão da EDP, Eduardo Catroga, defendeu hoje a "parceria estratégica" com a China Three Gorges (CTG) como "um caso de sucesso para as duas empresas e para a economia portuguesa".

Entrada da China na EDP "é "caso de sucesso para economia portuguesa"

"Não há nenhum investidor chinês significativo que pense investir em Portugal que não olhe para o exemplo da EDP. O balanço é extraordinariamente positivo", disse Eduardo Catroga à agência Lusa em Pequim.

Segundo realçou, "pela sua dimensão e impacto", os 2.700 milhões de euros que a CTG pagou por uma participação de 21,3% no capital da EDP tornaram-se "uma bandeira do investimento chinês em Portugal e na Europa".

Antigo ministro das Finanças, formado em economia, o presidente do Conselho-geral de Supervisão da EDP desloca-se anualmente à China, para reuniões com a direção da CTG, que é hoje o maior acionista da elétrica portuguesa.

Em declarações à Lusa, Eduardo Catroga considerou que, "atendendo aos excedentes financeiros" da China, o atual processo de internacionalização da economia chinesa era inevitável.

"Portugal não podia perder esse comboio e, felizmente, não perdeu. Há meia dúzia de anos, o investimento chinês em Portugal era praticamente zero. Hoje disputamos com a Itália o quarto lugar da lista dos principais destinos do investimento chinês na Europa", afirmou.

Segunda economia mundial, a China dispõe das maiores reservas cambiais do planeta, no valor de 3,8 biliões (3.800.000.000.000) de dólares.

A entrada da China Three Gorges no capital da EDP, acordada em dezembro de 2011, ocorreu numa altura em que "ninguém queria financiar a economia portuguesa", realçou o antigo ministro das Finanças.

"Portugal não tinha acesso normal aos mercados financeiros internacionais", acrescentou

Entretanto, outras empresas da China compraram importantes participações em empresas portuguesas, nas áreas dos seguros, banca, energia e saúde, estimando-se em mais de 10.000 milhões de euros o montante do investimento chinês em Portugal.

"A diversificação das relações de investimento é bom para a economia portuguesa", comentou Eduardo Catroga ao referir que "os grupos portugueses não têm musculatura económica e financeira para adquirirem posições significativas no capital das grandes empresas".

No caso da EDP, exemplificou, "o único grande acionista português, que detém pouco mais de 2%, é o Fundo de Pensões do BCP (Banco Comercial Português) ".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório