Meteorologia

  • 24 JULHO 2024
Tempo
35º
MIN 20º MÁX 37º

Inflação desacelera e cresce 2,48% no primeiro semestre do ano no Brasil

A inflação no Brasil cresceu 2,48% no primeiro semestre do ano, menor subida registada no período desde 2020, informou hoje o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Inflação desacelera e cresce 2,48% no primeiro semestre do ano no Brasil
Notícias ao Minuto

17:24 - 10/07/24 por Lusa

Economia Brasil

No mês de junho a taxa de inflação no país sul-americano ficou em 0,21%, pressionada pelos preços dos alimentos, enquanto no mesmo mês do ano passado o Brasil registou uma deflação de 0,08%.

Os preços subiram no período, segundo o IBGE, pressionados pelos alimentos e bebidas, que, com um crescimento de 0,44%, foram responsáveis por 0,10 pontos percentuais do índice mensal. Em maio, os preços dos alimentos subiram 0,62%. 

Os dados mostram que a inflação em junho no Brasil, porém, foi a mais baixa dos últimos três meses e caiu para menos da metade da de maio (0,46%).

Já a inflação interanual no país passou de 3,93% em maio para 4,23% em junho, nível mais elevado dos últimos quatro meses, segundo o órgão responsável pelas estatísticas do Governo brasileiro.

O índice, porém, é compatível com a meta que o Banco Central brasileiro se propôs para este ano, em que espera uma inflação de 3% com margem de tolerância de 1,5 pontos para cima ou para baixo.

Depois de atingir 4,62% em 2023, a inflação no Brasil, segundo projeções do órgão emissor, deve cair para 4% em 2024, para 3,4% em 2025 e para 3,2% em 2026.

Esta previsão é semelhante à dos economistas de mercado, que, segundo uma sondagem feita pelo Banco Central na semana passada, preveem que o Brasil fechará este ano com uma inflação de 4,02% e que o índice de reajuste dos preços desacelerará para 3,87% em 2025.

Leia Também: Golpe de Estado? "A Bolívia não pode voltar a cair nessa armadilha"

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório