Meteorologia

  • 21 MAIO 2024
Tempo
18º
MIN 13º MÁX 20º

Setor das comunicações já foi "mais fervilhante", diz ministro

O ministro das Infraestruturas afirmou hoje que o setor das comunicações já foi "mais fervilhante", que tem "margens esmagadas" e defendeu a necessidade de encontrar novas formas de dar robustez à remuneração de quem investe na área.

Setor das comunicações já foi "mais fervilhante", diz ministro
Notícias ao Minuto

20:02 - 15/05/24 por Lusa

Economia Comunicações

Miguel Pinto Luz falava no encerramento do 33.º Congresso da APDC, que este ano decorreu sob o mote "40 year futurizing", em Lisboa.

"Foi um setor mais fervilhante do que é hoje, para ser brando é um setor que hoje tem margens esmagadas, onde a arquitetura regulatória e de concorrência limita muito a ação", prosseguiu o governante.

"É um setor que sofreu disrupções sucessivas com a introdução de novos 'players' [operadores] no mercado, de novas formas de utilização da própria infraestrutura, é um setor que obriga a ciclos sucessivos de investimento de capital intensivo", admitiu.

Para "nós liderarmos os próximos ciclos de desenvolvimento precisamos de encontrar novas formas de dar robustez à remuneração de capitais que hoje oferecemos a quem investe este setor, não tenhamos dúvidas nenhumas", sublinhou.

Durante o debate Estado da Nação das Comunicações, os presidentes executivos da Altice Portugal, Ana Figueiredo, NOS, Miguel Almeida, e Vodafone Portugal, Luís Lopes, abordaram a falta de retorno de capital no setor e o tema da consolidação.

O ministro afirmou que a Europa tem uma "cultura de pequenas e médias empresas", acrescetando que é necessário trazer temas como a IA para a agenda europeia e admite já estar a trabalhar a forma como a Europa poderá fazer a distribuição da coleta de impostos.

Miguel Pinto Luz defende também que a Inteligência Artificial e a Computação Quântica são áreas estratégicas, acrescentando que é preciso "implementar um novo modelo de desenvolvimento para a Europa".

O governante reiterou que é preciso "criar riqueza para distribuir riqueza", referindo ainda que é necessário ter "empresas grandes" na Europa de outra forma não será possível sustentar o Estado social.

Leia Também: Trabalhadores da função pública aumentam 0,5% até março para 748.870

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório