Meteorologia

  • 18 MAIO 2024
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 20º

Sindicatos em greve na EDP avançam para tribunal e criticam empresa

Os sindicatos em greve no grupo EDP decidiram recorrer aos tribunais contra o "comportamento inqualificável" da empresa, que acusam de recusar que trabalhadores designados à prestação dos serviços mínimos na Direção Gestão e Operação Sistema (DGOS) acedam aos postos.

Sindicatos em greve na EDP avançam para tribunal e criticam empresa
Notícias ao Minuto

19:49 - 04/04/24 por Lusa

Economia EDP

Num comunicado hoje divulgado, o Sindicato Nacional da Indústria e da Energia (Sindel) disse que as estruturas sindicais "denunciam o comportamento inqualificável de uma das empresas do grupo EDP na greve que está em curso desde as 00:00 horas do dia 01 de abril de 2024 e até às 24:00 do dia 30 de abril de 2024".

De acordo com o Sindel, "ao abrigo de um direito legalmente previsto, para a referida greve, os sindicatos designaram os trabalhadores que ficariam afetos à prestação dos serviços mínimos na DGOS (Direção Gestão e Operação Sistema) onde é feita a gestão da distribuição elétrica".

No entanto, disse o sindicato, a empresa "recusou a trabalhadores designados à prestação dos serviços mínimos na DGOS de acederem aos postos e poderem realizar serviços mínimos", garantindo que os considerou "como ausentes em greve, de forma a não lhes pagar a retribuição e assim coagir os trabalhadores e perturbar a greve".

"Perante isto, os sindicatos decidiram recorrer aos tribunais com providências cautelares para a reposição da legalidade e até lá fica suspensa a designação de trabalhadores afetos à prestação dos serviços mínimos na DGOS", indicaram.

Na mesma nota, os sindicatos recusaram "qualquer responsabilidade pelas eventuais falhas que possa ocorrer na DGOS e que coloque em causa a prestação dos serviços mínimos a entidades como hospitais, INEM, instituições de ordem pública e outros".

Contactada pela Lusa, a E-Redes (antiga EDP Distribuição) disse que "alguns dos trabalhadores que prestam serviço nos centros de despacho das redes de distribuição de eletricidade geridos pela E-Redes têm aderido à greve convocada pelos sindicatos".

Segundo a empresa, "tais centros, dada a sua natureza crítica, estão abrangidos por serviços mínimos, nos termos decretados pelo Ministério do Trabalho", assegurando que "tem vindo a gerir esta situação no cumprimento do enquadramento legal em vigor". 

Leia Também: Acionistas da EDPR votam hoje remuneração flexível e reeleição de órgãos

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório