Meteorologia

  • 22 FEVEREIRO 2024
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 17º

Negociação salarial com sindicatos da Função Pública arranca hoje

O Governo e três estruturas sindicais da administração pública começam hoje a negociação sobre os aumentos salariais para o próximo ano, com os sindicatos a proporem aumentos superiores aos que estão previstos no acordo assinado em outubro.

Negociação salarial com sindicatos da Função Pública arranca hoje
Notícias ao Minuto

00:05 - 27/09/23 por Lusa

Economia Função Pública

O acordo entre o Governo e as estruturas sindicais da UGT, a Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap) e o Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE), assinado em outubro de 2022, prevê um aumento anual de cerca de 52 euros até 2026 ou de um mínimo de 2% por ano.

A Fesap propõe uma atualização salarial de 6% com um mínimo de 80 euros por trabalhador, enquanto o STE reivindica um aumento superior a 5%, tendo em conta a evolução da inflação e o custo de vida.

Ambas as estruturas propõem ainda uma subida do subsídio de alimentação dos atuais 5,20 euros para 7,50 euros por dia e a redução dos descontos para a ADSE.

"Esperamos que o Governo apresente uma proposta que tenha em consideração a inflação e o custo de vida, atribuindo aumentos dos salários efetivos", disse à Lusa o secretário-geral da Fesap, José Abraão.

O sindicalista realçou que o acordo de outubro prevê valores "mínimos", tendo sido assinado "sem prejuízo dos cadernos reivindicativos das estruturas sindicais" e prevendo a sua revisão "sempre que ocorra alteração substancial das condições relativas às matérias acordadas".

Também a presidente do STE, Helena Rodrigues, defendeu que "a atualização salarial anual não fica prejudicada pelo acordo" e considerou que a proposta do sindicato que lidera "é realista" e tem como objetivo recuperar a perda de poder de compra dos trabalhadores.

Já a Frente Comum de sindicatos, afeta à CGTP, que não assinou o acordo com o Governo, vai apresentar a sua proposta só após a reunião desta manhã, no Ministério da Presidência, em Lisboa, com a ministra Mariana Vieira da Silva, e a secretária de Estado da Administração Pública, Inês Ramires.

Após a reunião, Frente Comum realiza uma cimeira de sindicatos para aprovar o texto final da proposta reivindicativa para 2024, seguindo-se uma concentração em frente ao Ministério da Presidência, com deslocação à residência oficial do primeiro-ministro, António Costa, para entrega do documento reivindicativo.

A CGTP, que integra a Frente Comum, já deu a conhecer a sua proposta, de aumentos salariais de 15% para 2024 com um aumento mínimo de 150 euros por trabalhador.

Leia Também: Sindicatos da Função Pública exigem aumentos superiores aos do acordo

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório