Meteorologia

  • 27 JUNHO 2022
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 23º

Taxa de poupança das famílias desce para 8,3% no 1.º trimestre

A taxa de poupança das famílias diminuiu 2,4 p.p. no 1º trimestre de 2022, fixando-se em 8,3%, divulgou o INE, esta sexta-feira.

Taxa de poupança das famílias desce para 8,3% no 1.º trimestre
Notícias ao Minuto

11:18 - 24/06/22 por Notícias ao Minuto

Economia Poupança

A taxa de poupança das famílias diminuiu para 8,3% nos primeiros três meses do ano, divulgou o Instituto Nacional de Estatística (INE), esta sexta-feira. 

O rendimento disponível bruto das famílias aumentou 1,4% no primeiro trimestre face ao trimestre anterior, com crescimentos de 1,7% e 2,4% das remunerações e do Valor Acrescentado Bruto (VAB), respetivamente, indicam as contas nacionais trimestrais por setor institucional do INE.

Porém, a despesa de consumo final aumentou 4,1% (face a 2,3% no trimestre anterior), "determinando a redução da taxa de poupança para 8,3% (10,7% no trimestre anterior), o que, em conjunto com o aumento do investimento, conduziu à redução da capacidade de financiamento em 1,9 pontos percentuais (p.p.), para 2,4% do PIB", explica o INE.

Ou seja, o aumento em 4,1% do consumo privado foi superior ao crescimento do rendimento disponível (1,4%).

Tendo em conta a decomposição da taxa de variação (1,4%) do rendimento disponível bruto das famílias no ano acabado no 1.º trimestre, verifica-se que as remunerações e o excedente bruto de exploração contribuíram em 1,1 e 0,5 pontos percentuais, respetivamente, para essa taxa de variação, destacando-se ainda o contributo negativo de 0,2 pontos percentuais dos impostos pagos pelas famílias.

A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) das famílias, que corresponde essencialmente a habitação, aumentou 3,2% no 1.º trimestre de 2022 face ao trimestre anterior.

Comparando com o trimestre homólogo, o aumento da FBCF das famílias foi 13,8%.

Já a taxa de investimento das famílias (medida através do rácio entre a FBCF e o rendimento disponível) aumentou para 6,2%.

O rendimento disponível bruto ajustado das famílias 'per capita' fixou-se em 17,2 mil euros no 1.º trimestre de 2022, um aumento de 1,5% face ao trimestre anterior.

A taxa de variação do PIB 'per capita' foi 2,9%, superior em 1,4 pontos percentuais relativamente à variação do rendimento disponível bruto ajustado (0,5 pontos percentuais no trimestre anterior).

O INE nota que o rendimento bruto disponível ajustado difere do rendimento bruto disponível por incluir o valor dos bens e serviços adquiridos ou produzidos pelas Administrações Públicas ou as famílias e instituições sem fins lucrativos ao serviço das famílias que se destinam ao consumo, como por exemplo, comparticipações na aquisição de medicamentos.

[Notícia atualizada às 12h35]

Leia Também: Energia. Comparar tarifas pode valer poupança de 200 euros por ano

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório