Meteorologia

  • 05 FEVEREIRO 2023
Tempo
15º
MIN 9º MÁX 18º

Produtores a pagarem para gerar eletricidade tem "um racional"

O presidente executivo da Endesa Portugal defende que os produtores estarem dispostos a pagar para gerar eletricidade tem "um racional", resultante do facto de as renováveis terem "custos variáveis ínfimos".

Produtores a pagarem para gerar eletricidade tem "um racional"
Notícias ao Minuto

14:45 - 06/04/22 por Lusa

Economia Endesa

"Os preços negativos têm um racional, por de facto o mercado elétrico não se ter ajustado à evolução tecnológica e não se ter ajustado à evolução tecnológica quer dizer que nas tecnologias de antes, no gás, no nuclear, havia custos fixos elevados e custos variáveis também muito elevados. Agora, com as tecnologias das renováveis tenho também investimento de capital intensivo, mas depois custos variáveis ínfimos", afirmou hoje Nuno Ribeiro da Silva.

O presidente da Endesa recorda que não se compra o sol nem o vento.

"Eu tendencialmente terei geração de eletricidade a custo variável zero e o mercado está só focado nessa componente do meu custo e do preço que estou disponível a entrar", acrescenta.

Na prática, acrescentou, que os produtores "pagam o bilhete para se ligarem à rede [elétrica]".

"Se houver desenvolvimento da rede e se for gerida de outra maneira, de forma menos conservadora, levará a que a capacidade de ligação deixe de ser tão escassa e perde valor e os produtores não terão necessidade de fazer esse pagamento de compensação à rede", considerou.

O Governo leiloou, na segunda-feira, a exploração de 263 megawatts (MW) de energia solar em sete barragens do país, tendo adjudicado um total de 183 MW, segundo o Ministério do Ambiente e da Ação Climática.

o Governo afirmou que o leilão foi "um sucesso", atingindo o preço mais baixo da energia mundial, com um lote ao preço fixo de -4,13 euros por megawatt-hora (MWh), equivalente a um desconto de 110% à tarifa de referência fixada inicialmente pelo Governo.

A Endesa ganhou o direito de ligação dos 42 megawatt (MW) leiloados na barragem do Alto Rabagão, Montalegre, para a instalação de um projeto de energia solar fotovoltaica flutuante com investimento de 115 milhões de euros, disse hoje a empresa.

Segundo a empresa, o projeto naquela barragem vai envolver um investimento de cerca de 115 milhões de euros e deverá entrar em funcionamento em 2026.

Leia Também: Endesa ganha direitos para explorar central na barragem do Rabagão

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório