Meteorologia

  • 24 JULHO 2024
Tempo
21º
MIN 20º MÁX 38º

Relatório aponta "elevado desconhecimento" sobre denúncias de cibercrime

O Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) alertou hoje que há uma "divergência significativa" entre a intenção de reportar crimes informáticos e o reporte efetivo, assinalando que se verifica "um elevado grau de desconhecimento" sobre os canais oficiais para o efeito.

Relatório aponta "elevado desconhecimento" sobre denúncias de cibercrime
Notícias ao Minuto

14:32 - 10/12/21 por Lusa

Economia Cibersegurança

"Verifica-se um elevado grau de desconhecimento, entre os que sofreram efetivamente um cibercrime, sobre a existência e a identificação de canais oficiais de reporte, bem como uma preferência por canais ditos alternativos (fornecedores de serviços de Internet, por exemplo) face aos órgãos de polícia criminal", refere a primeira edição do "Relatório Cibersegurança em Portugal -- Políticas Públicas", hoje divulgada pelo CNCS.

O organismo defende que é, então, "relevante melhorar a divulgação dos canais adequados a esse reporte".

No documento é também referido que, "de forma geral, as estratégias adotadas em Portugal têm acompanhado os objetivos e orientações estratégicas de segurança" da União Europeia e que tem sido executado "um plano de ação que, na sua última revisão, inclui 667 atividades propostas por 67% dos serviços e organismos da Administração Pública".

A conclusões apresentadas pelo Observatório de Cibersegurança do CNCS resultam de duas tarefas: o "levantamento e sistematização" das "estratégias e programas públicos nacionais relacionados com a cibersegurança" e a "identificação e análise de indicadores disponíveis sobre perceções dos cidadãos na intersecção entre políticas públicas e segurança do ciberespaço".

No documento, o CNCS refere que, além da Estratégia Nacional de Segurança do Ciberespaço e respetivo Plano de Ação, identificou "um conjunto extenso de outras estratégias, planos, programa e iniciativas nacionais". Entre estes, destacou as estratégias e programas de ação associados "à transição digital do país em geral e da Administração Pública em particular", assim como "instrumentos temáticos e setoriais, como a Lei de Bases de Saúde ou o Plano Nacional Energia e Clima (PNEC) 2030".

No segundo, além da "divergência significativa" entre a intenção dos cidadãos em reportar eventuais crimes informáticos e o reporte efetivo, destaca-se o combate à desinformação, com os dados a mostrarem que "os cidadãos colocam na linha da frente do combate a sua própria ação, a par com jornalistas e autoridades nacionais".

Debruçando-se sobre o quadro estratégico, institucional e legal existente a nível europeu, os autores do relatório sugerem que se espera, "num futuro próximo, uma resposta coletiva cada vez mais integrada, que suplante de forma mais eficiente o trabalho realizado separadamente pelas diferentes comunidades de cibersegurança nos diferentes Estados-membros", como forças policiais, civis, diplomacia ou parceiros do setor privado.

A nível nacional, o Observatório de Cibersegurança do CNCS reitera que o combate ao cibercrime "exige um esforço contínuo, reforçado e colaborativo" e que este deve ser enquadrado por um conjunto robusto de políticas públicas, sublinhando ainda que Portugal "surge atualmente bem posicionado nos principais 'rankings' internacionais da área".

Leia Também: Plataforma de certificação de cibersegurança lançada na quinta-feira

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório