Meteorologia

  • 26 MAIO 2022
Tempo
29º
MIN 17º MÁX 32º

Inflação na OCDE sobe para 5,2% em outubro, um máximo desde 1997

A inflação homóloga na OCDE aumentou para 5,2% em outubro, contra 4,6% em setembro, e apenas 1,2% em outubro de 2020, atingindo a taxa mais alta desde fevereiro de 1997, foi hoje anunciado.

Inflação na OCDE sobe para 5,2% em outubro, um máximo desde 1997
Notícias ao Minuto

11:00 - 02/12/21 por Lusa

Economia Inflação

Num comunicado hoje divulgado, a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) precisa que na zona euro, a inflação aumentou acentuadamente para 4,1% em outubro, contra 3,4% em setembro e menos 0,3% um ano antes.

Contudo, permaneceu mais baixa do que no conjunto da OCDE, particularmente em comparação com os Estados Unidos onde a inflação homóloga subiu de 5,4% em setembro para 6,2% em outubro, o nível mais elevado desde novembro de 1990.

Ao longo do ano, os preços da energia subiram 24,2% na OCDE, mais de cinco pontos percentuais do que em setembro (18,9%) e a taxa mais elevada desde julho de 1980.

A subida dos preços dos alimentos na OCDE manteve-se estável em 4,5%.

Excluindo alimentos e energia, a inflação homóloga da OCDE subiu mais moderadamente, para 3,5% em outubro, em comparação com 3,2% em setembro.

Em outubro, a inflação homóloga aumentou em todos os países do G7, exceto no Japão, onde caiu ligeiramente para 0,1%, contra 0,2% em setembro, apesar do forte aumento dos preços da energia (para 11,4%, contra 7,5% em setembro).

A inflação homóloga aumentou acentuadamente no Reino Unido (para 3,8%, contra 2,9% em setembro) e nos Estados Unidos (para 6,2%, contra 5,4%) refletindo aumentos em todas as componentes da inflação para ambos os países.

Todas as rubricas excluindo alimentos e energia foram as que mais contribuíram para a inflação global nestes dois países (em 2,8 pontos percentuais e 3,9 pontos percentuais, respetivamente).

Os preços da energia contribuíram com 1,0 pontos percentuais no Reino Unido e 1,8 pontos percentuais nos Estados Unidos, enquanto os alimentos contribuíram modestamente (em 0,1 pontos percentuais e 0,4 pontos percentuais respetivamente).

A inflação homóloga também aumentou nos outros quatro países do G7: para 4,7% no Canadá (contra 4,4% em setembro), para 4,5% na Alemanha (contra 4,1%), para 3,0% em Itália (contra 2,5%), e para 2,6% em França (contra 2,2%).

A subida dos preços da energia aumentou acentuadamente nestes quatro países e a energia foi o principal contribuinte para a inflação global em Itália e França, onde contribuiu com 2,1 pontos percentuais e 1,6 pontos percentuais da taxa de inflação, respetivamente.

Ao mesmo tempo, a subida dos preços dos alimentos diminuiu ou manteve-se estável nestes quatro países, com contribuições limitadas para a inflação global.

Todos os itens excluindo alimentos e energia contribuíram mais para a inflação no Canadá e na Alemanha (em 2,3 pontos percentuais em ambos os países), e menos em Itália e França (em 0,7 pontos percentuais e 0,9 pontos percentuais, respetivamente).

Leia Também: Inflação na OCDE deverá atingir o pico no final deste ano

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório