Meteorologia

  • 07 DEZEMBRO 2021
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 17º

Edição

"Nível salarial está a empobrecer" país. CGTP pede mudança de "panorama"

Isabel Camarinha diz que Portugal é um país de salários baixos e refere que este "panorama" tem de ser alterado.

"Nível salarial está a empobrecer" país. CGTP pede mudança de "panorama"

A secretária-geral da CGTP, Isabel Camarinha, disse esta sexta-feira que Portugal é um país de salários baixos, considerando que este é um cenário que deve ser mudado, até porque está a "empobrecer as pessoas". Isto, no dia em que o Governo e os parceiros sociais reúnem-se para discutir medidas para apoiar as empresas a absorver o aumento de 40 euros do salário mínimo nacional (SMN). 

"Os salários em Portugal são muito baixos, temos de mudar este panorama", disse Isabel Camarinha em declarações à CNN, justificando que é também por isto que os dados mostram que "10% dos trabalhadores em Portugal são pobres".

Na reunião anterior da Concertação Social, no dia 16, o Governo apresentou uma proposta para aumentar o salário mínimo nacional dos atuais 665 euros para 705 euros em 2022 e manifestou-se disponível para avançar com medidas para ajudar as empresas a suportarem o acréscimo.

"Temos um país de salários muito baixos e o que está a acontecer é que os trabalhadores estão revoltados e insatisfeitos", disse Isabel Camarinha, sublinhando que "não são só os que recebem o salário mínimo". 

A CGTP exige um aumento do SMN para 850 euros. "Precisamos de caminhar rapidamente para que o SMN corresponda à realidade e necessidades do nosso país", afirmou a líder da CGTP, acrescentando que "este nível salarial está a empobrecer as pessoas"

A central sindical considera, por isso, que o Governo deve "dar indicação ao privado deste aumento geral dos salários" e entende que aumentar as remunerações é um "fator dinamizador da economia", adiantando que as "empresas têm de encarar isto como um investimento". 

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, manifestou-se disponível para avançar com medidas para ajudar as empresas a suportarem o acréscimo e indicou que esta medida seria discutida na reunião de hoje com os parceiros sociais, nomeadamente sobre se a mesma irá abranger a generalidade das empresas ou apenas alguns segmentos específicos.

Este ano, para compensar as empresas do aumento de 30 euros do salário mínimo, para 665 euros, o Governo avançou com uma solução que passou por devolver aos empregadores uma parte da Taxa Social Única (TSU).

Além da questão do salário mínimo nacional, a ordem de trabalhos da Concertação Social prevê a apresentação do Acordo de Parceria PT2030 e outros assuntos.

Leia Também: A concertação social e outras 4 coisas que deve saber para começar o dia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório