Meteorologia

  • 05 DEZEMBRO 2021
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 16º

Edição

Governo moçambicano diz que Exxon vai continuar em Cabo Delgado

O Governo moçambicano disse hoje que a Exxon lhe assegurou a continuidade dos seus projetos de gás natural no norte do país face a informações de que a empresa está a repensar a sua carteira de negócios nos combustíveis fósseis. 

Governo moçambicano diz que Exxon vai continuar em Cabo Delgado
Notícias ao Minuto

14:22 - 25/10/21 por Lusa

Economia Gás

"Da parte das empresas, incluindo da Exxon, a indicação que temos foi de reafirmar a aposta no projeto de Afungi, mesmo depois das notícias que foram postas a circular", afirmou o ministro dos Recursos Minerais e Energia de Moçambique, Max Tonela. 

Tonela falava aos jornalistas à margem do sexto conselho coordenador do seu ministério, que decorre em Pemba, capital da província de Cabo Delgado, norte do país. 

Aquele governante avançou que representantes da petrolífera norte-americana visitam Maputo no início de novembro para um ponto de situação em relação aos empreendimentos em Moçambique. 

"Temos estado a trocar informações com a Exxon, estando previsto para breve mais um encontro em Maputo, no início do mês de novembro", declarou. 

O Wall Street Journal noticiou na última semana que a petrolífera norte-americana está a estudar a possibilidade de cancelar investimentos como o que está previsto para o norte de Moçambique, citando pressões dos investidores para limitar a aposta em combustíveis fósseis. 

Em causa, uma redução das emissões de carbono e, ao mesmo tempo, aumentar o retorno aos investidores, já que a aposta em megaprojetos como o de Cabo Delgado demora vários anos até chegar à fase de maturidade.

De acordo com as fontes citadas pelo Wall Street Journal, não é claro que destas discussões saia uma decisão sobre o investimento em Moçambique, que aguarda ainda pela Decisão Final de Investimento, passo a partir do qual o projeto é irreversível, sob pena de as sanções suplantarem os custos de investimento. 

A Exxon já gastou 2,8 mil milhões de dólares (2,4 mil milhões de euros) para adquirir uma posição importante no projeto da Área 4 da bacia do Rovuma, o maior projeto de exploração de gás natural de África subsaariana, mas há vários anos que adia a decisão final sobre a o investimento, que segundo o Governo de Moçambique pode ficar entre os 27 e os 33 mil milhões de dólares (23,2 a 28,3 mil milhões de euros). 

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, segundo as autoridades moçambicanas.

Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda a que se juntou depois a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas onde havia presença de rebeldes, nomeadamente a vila de Mocímboa da Praia, que estava ocupada desde agosto de 2020.

Leia Também: Nações Unidas fazem soar o alarme sobre gases com efeito de estufa

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório