Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2021
Tempo
24º
MIN 14º MÁX 24º

Edição

Brasil eleva taxa de juros a níveis pré-pandemia para conter inflação

Brasília, 17 jun 2021 (Lusa) - O Banco Central brasileiro elevou a taxa básica de juros, para controlar a inflação, em 0,75 pontos percentuais, para 4,25% ao ano, maior nível num ano e meio e terceira subida em 2021.

Brasil eleva taxa de juros a níveis pré-pandemia para conter inflação
Notícias ao Minuto

06:29 - 17/06/21 por Lusa

Economia Covid-19

Na sua última reunião, esta quarta-feira, o Comité de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu, por unanimidade e num momento em que a pandemia de covid-19 ainda está fora de controlo no país, dar continuidade à subida da taxa de juros que se iniciou em março, após quase seis anos de cortes que levaram o indicador ao mínimo histórico de 2%.

A taxa de juros volta agora ao seu nível mais alto desde 05 de fevereiro de 2020, algumas semanas antes da confirmação do primeiro caso de covid-19 no país.

"Neste momento, o cenário básico do Copom indica ser apropriada a normalização da taxa de juros para patamar considerado neutro. Esse ajuste é necessário para mitigar a disseminação dos atuais choques temporários sobre a inflação", afirmou o Banco Central em comunicado.

Essa nova subida de 0,75 pontos, a terceira consecutiva com o mesmo valor, surgiu em linha com o que era esperado pelo mercado financeiro, que, por outro lado, prevê que o Brasil encerre 2021 com uma taxa básica de juros ainda mais alta, de 6,25%.

Nesse contexto, o Banco Central frisou que prevê "outro ajuste da mesma magnitude" para a sua próxima reunião, que será em agosto, embora tenha ressaltado que uma "deterioração" das projeções poderia "exigir uma redução mais tempestiva dos estímulos monetários".

O órgão brasileiro assinalou que a atividade económica do país, "apesar da intensidade da segunda vaga da pandemia", que tem sido mais letal do que a primeira, "mostra uma evolução mais positiva do que o esperado", com uma redução "significativa" dos riscos para a recuperação.

No entanto, "a persistência das pressões inflacionárias revela-se maior do que o esperado, principalmente entre os bens industriais", indica o comunicado.

Entre janeiro e maio, a inflação acumulada atingiu 3,22%, quando a meta para este ano é de 3,75% com margem de tolerância de 1,5 pontos percentuais em ambos os sentidos (2,25% - 5,25%).

Só em maio passado, os preços subiram 0,83%, o maior resultado para o mês desde 1996.

Soma-se a isso, segundo o Banco Central, "a lentidão da normalização nas condições de oferta, a resiliência da demanda e implicações da deterioração do cenário hídrico sobre as tarifas de energia elétrica, que contribuem para manter a inflação elevada no curto prazo", apesar da "recente valorização do real".

O comunicado cita ainda, entre outros riscos possíveis, um agravamento da já preocupante situação fiscal do país e um atraso na aprovação de reformas e ajustes que, segundo o órgão, "são essenciais para permitir uma recuperação sustentável da economia" do Brasil.

O Brasil continua a ser um dos países mais afetados do mundo pela pandemia, totalizando 493.693 óbitos e 17.628.588 infeções.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.824.885 mortos no mundo, resultantes de mais de 176,5 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Leia Também: Brasil volta a aproximar-se dos 3 mil mortos em 24h. Reporta 95 mil casos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório