Meteorologia

  • 25 SETEMBRO 2021
Tempo
22º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

Trocas comerciais de UE e EUA valeram 556 mil milhões em 2020

O comércio de bens entre a União Europeia (UE) e os Estados Unidos em 2020 valeu 556 mil milhões de euros, mais do triplo do orçamento anual do bloco comunitário, numa relação comercial ainda assim recentemente turbulenta.

Trocas comerciais de UE e EUA valeram 556 mil milhões em 2020
Notícias ao Minuto

17:47 - 14/06/21 por Lusa

Economia UE/EUA

Os líderes da UE reúnem-se na terça-feira em Bruxelas com o Presidente norte-americano, Joe Biden, na primeira cimeira entre Washington e Bruxelas desde 2017, que será focada na recuperação da crise sanitária e económica pós-pandémica e na melhoria das relações comerciais.

Em termos comerciais, Bruxelas e Washington têm a maior relação comercial bilateral do mundo, sendo os maiores parceiros de exportação um do outro, o que no ano passado equivaleu a um comércio de bens de 556 mil milhões de euros, de acordo com dados fornecidos pelo Conselho da UE antes da cimeira de terça-feira.

Este montante é 3,5 vezes mais do que o orçamento anual da UE para 2020.

Em 2019, o comércio total de bens nos dois sentidos foi superior a 420 mil milhões de euros.

Entre os três principais bens que a UE mais importa dos Estados Unidos estão serviços de telecomunicações e serviços empresariais, viagens e licenças, enquanto os norte-americanos procuram mais produtos europeus de maquinaria e transporte, produtos químicos e artigos manufaturados.

Em conjunto, a UE e os Estados Unidos representam 42% do PIB (produto interno bruto) mundial e do comércio global de bens e serviços.

Porém, apesar desta significativa parceria, a relação comercial da UE e dos Estados Unidos ficou marcada nos últimos anos, com Donald Trump à frente da administração norte-americana, pela imposição de tarifas retaliatórias de 25% sobre as importações de aço da UE e de 10% sobre o alumínio.

Com a chegada de Joe Biden, a situação mudou, tendo o Presidente norte-americano acordado em março passado com a líder do executivo comunitário, Ursula von der Leyen, a suspensão de pesadas tarifas retaliatórias impostas após ajudas públicas à aviação, classificando este como um "novo começo" comercial.

Em causa está a disputa comercial entre Washington e Bruxelas por causa de ajudas públicas à aviação norte-americana (Boeing) e europeia (Airbus), que já dura há vários anos, e no âmbito da qual a OMC já declarou como culpados tanto os Estados Unidos como a UE.

Já em meados de maio, a UE e os Estados Unidos iniciaram discussões para acabar com as disputas comerciais no seio da OMC, tendo o bloco comunitário suspendido temporariamente as tarifas às importações de aço, medidas de salvaguarda que entraram em vigor em 2019 após limitações comerciais norte-americanas aos produtos siderúrgicos europeus.

Em Bruxelas por estes dias está também a conselheira comercial de Joe Biden, Katherine Tai, que se reuniu hoje com o vice-presidente executivo da Comissão Europeia com a pasta do Comércio, Valdis Dombrovskis.

Numa publicação feita na rede social Twitter, Valdis Dombrovskis assinalou que "a relação comercial transatlântica vale quase um bilião de euros por ano".

"Podemos reforçá-la ainda mais, partindo dos nossos muitos objetivos/valores comuns e trabalhando no sentido de resolver as disputas pendentes", adiantou o responsável europeu.

Joe Biden venceu as eleições presidenciais nos Estados Unidos em novembro passado e em março deste ano já teve uma breve participação num Conselho Europeu por videoconferência.

Leia Também: UE/EUA: Primeira cimeira em quatro anos com pandemia e comércio na agenda

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório