Meteorologia

  • 16 MAIO 2021
Tempo
23º
MIN 16º MÁX 24º

Edição

Silêncio e escuridão nos clubes noturnos do Porto sem fim à vista

Antes da pandemia os clubes noturnos do Porto enchiam as noites de música, exposições e outras artes. Hoje estão confinados ao silêncio e à escuridão e os empresários depositam esperança na vacina para reabrir no fim do ano.

Silêncio e escuridão nos clubes noturnos do Porto sem fim à vista
Notícias ao Minuto

08:29 - 30/03/21 por Lusa

Economia Covid- 19

Angústia e tristeza são as emoções que andam de mãos dadas com a resiliência e a esperança de Filipe Teixeira, dono do Plano B, um 'night club' e 'art gallery' localizado na Cândido dos Reis, antiga rua dos tecidos ao lado da Torre dos Clérigos, que, antes da pandemia obrigar ao encerramento, pertencia ao circuito da movida portuense com música ao vivo e exposições artísticas.

Toda a equipa ficou desanimada com a segunda vaga do novo coronavírus, conta Filipe Teixeira. "Ficámos muito em baixo. Nós e o nosso próprio 'staff'. Ficámos sem perspetiva nenhuma de quando é que poderíamos abrir".

Hoje, olhando para os néones desligados e para a coleção de estátuas espalhadas pelo chão e pelas prateleiras do bar, Filipe Teixeira, mentor do projeto cultural, promete que, quando for possível, reabrirá sem qualquer alteração, por causa das saudades do espaço tal como é.

Para a reabertura, com uma equipa de cerca de 30 pessoas em 'lay-off', a gerência planeia convidar dj residentes e fazer uma festa. Pondera também ter lojas 'pop up' durante o dia e concertos, porque é "desperdício" ter tanto espaço fechado ao público durante sete dias por semana, revela o proprietário à Lusa.

"Um ano passou, 12 meses fechados, 52 fins de semana sem dançar. Continuamos por aqui à espera, à vossa espera", promete o Plano B na página do Instagram. E é mesmo assim que Filipe Teixeira prevê o futuro do Plano B, com uma reabertura, talvez, em dezembro.

A reabertura do Industria, clube noturno com 34 anos de vida, situado no Centro Comercial da Foz do Porto, está também nos horizontes de Rúben Dominguez, diretor artístico e gerente do espaço.

Mal encerrou devido à covid-19, o Industria recalendarizou o concerto ao vivo do músico britânico Fatboy Slim, consagrado na música eletrónica, para 01 de outubro.

"Temos essa data pincelada no nosso calendário. Um de outubro, uma intenção de abrir", revelou Rúben Dominguez, consciente de que, se a covid-19 não o permitir, terão de adiar novamente o espetáculo do músico britânico.

"Right here, right now" ("Aqui e agora") é a frase afixada junto ao bar principal do Industria, em honra a uma das músicas mais conhecidas de Fatboy Slim, e uma prova de que ainda há esperança para a reabertura do clube, no último trimestre do ano.

Mas o "aqui e agora" do Industria de hoje é só obscuridade e silêncio. Vive-se da saudade dos tempos em que foi um dos palcos do Porto de acolhimento de artistas da música de dança e de música eletrónica de todo o mundo.

A grande bola de espelhos pendurada por cima da pista, que refletiu a vida de milhares de pessoas que ali dançaram nos últimos 34 anos, está hoje suspensa num futuro de incertezas e sem apoios.

"Sentimos uma grande desolação, porque o setor da Cultura em geral é bastante discriminado e a que não se olha com a atenção devida", defende Rúben Dominguez, considerando que este setor é "posto à margem" pelo Governo, e a "falta de apoio" - a falta de uma "palavra" - é "o mais triste".

Rúben Dominguez refere que clubes noturnos como o Industria têm um "valor cultural e de entretenimento" para a cidade do Porto, que recebia milhares de turistas.

"Nós éramos uma das grandes valências que a cidade e o país tinha para atrair esse publico [turístico] e, neste momento, não nos dão o devido valor ou o apoio", desabafa.

Durante o confinamento, o Industria chegou a fazer algumas transmissões em 'streaming' com dj nacionais -- o 'streaming' com a dj Diana Oliveira teve um alcance de mais de 50 mil espetadores -, para "entreter as pessoas em casa, numa fase em que foi muito difícil", mas foram suspensas, porque deixaram de ser "eficazes" e com poucas visualizações, explicou Rúben Dominguez à Lusa.

A maior parte da equipa do Industria ficou sem trabalho por serem trabalhadores com prestação de serviços.

O Pérola Negra, um antigo 'cabaret' e bar de 'striptease' do Porto, na sua terceira fase, em formato de clube noturno com programação cultural regular, também está encerrado há um ano e, apesar de ser "angustiante" e "difícil" ver o mítico espaço do Porto dos anos 70, deserto e às escuras, Hélder Leite, o dono, estima reabrir no final deste ano.

Entre os sofás vermelhos, varões e espelhos que decoram o espaço, Hélder Leite revela que só abre com a chegada da imunidade de grupo.

"Quero acreditar que este calvário está a acabar, mas não sei. Estamos a prepararmo-nos. Entretanto, começámos a tomar diligências a nível de contactos com as agências internacionais que, ao fim e ao cabo, fazem parte do nosso cartaz e da nossa programação cultural".

O programador cultural do Pérola Negra, Jonathan Tavares, recorda que 2019 foi um ano de crescimento e que 2020 seria uma fase "muito importante", porque estavam a ter "muito bom" 'feed-back' do público.

"Com a covid-19 foi um corte bruto. Fomos dos primeiros a assumir uma posição preventiva em relação a isso [à pandemia]. Quisemos proteger o nosso público e fechámos imediatamente depois da nossa última festa, que foi no dia 07 de março com o DJ Seinfeld", recorda, lembrando que durante a pandemia fizeram um programa de rádio com a SBSR FM, como forma de alimentar a marca.

Agora, o Pérola Negra, através de parcerias com editoras, coletivos, programadores e dj locais e nacionais, tais como Kebraku, Undergarden, Lovers & Lollypops ou SlimCutz ou Turbo, está a tentar reativar tudo.

"Estamos, basicamente, a recuperar tempo perdido(...). Nós tentámos procurar as pessoas que eram próximas de nós [e traze-las] para dentro da casa [Pérola Negra] novamente, para fazerem parte da estratégia do clube, e agora estamos falar novamente com estes agentes [culturais]".

O Pérola Negra é um projeto que trabalha para envolver as comunidades culturais da cidade, bem como ter um posicionamento ao nível internacional "interessante a nível do 'clubbing' e da componente da música eletrónica, mas não só", explica Jonhathan Teixeira à Lusa.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.784.276 mortos no mundo. Em Portugal já morreram mais de 16 mil pessoas.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Leia Também: AO MINUTO: Origem do vírus revelada hoje; Injustiças na vacinação

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2021 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório