Meteorologia

  • 27 FEVEREIRO 2021
Tempo
17º
MIN 12º MÁX 19º

Edição

Investimento público é chave para recuperação no sul da Europa

A agência de 'rating' DBRS Morningstar considerou hoje que o investimento público é chave para a recuperação económica nos países do sul da Europa após a pandemia de covid-19.

Investimento público é chave para recuperação no sul da Europa
Notícias ao Minuto

14:38 - 25/01/21 por Lusa

Economia Covid-19

"A DBRS Morningstar acredita que os recursos da UE [União Europeia] podem ser particularmente importantes para as economias do sul da UE, que deverão ser quase todas beneficiários líquidos dos fundos da UE", pode ler-se numa nota hoje divulgada com o título de "O investimento público é chave para a recuperação covid-19 no sul da UE".

De acordo com a agência de notação financeira, o sul da UE "tem geralmente ficado abaixo do resto da Europa por causa de uma combinação de fraca procura e de fraquezas no lado estrutural da oferta".

"Durante anos, a despesa de capital no sul da UE foi reduzida à medida que os governos apertaram a política orçamental", lembra a DBRS Morningstar.

"As decisões dos governos sobre como alocar os recursos da UE, a qualidade dos novos projetos, e a capacidade de implementação serão fatores chave em determinar quão eficazes esses recursos são ao acelerar a recuperação e fortalecer as perspetivas de crescimento de médio prazo", pode também ler-se na nota hoje divulgada.

A agência canadiana também considera que "novos e bons projetos podem não só aumentar a procura, mas aumentar o produto potencial", e salienta que "o progresso nas reformas para acelerar a taxa de absorção dos fundos da UE, juntamente com as subvenções, é chave para a recuperação facilitar a consolidação orçamental no médio prazo".

De acordo com a visão da DBRS, a pior prestação do sul da UE face ao leste do bloco e ao centro "reflete fraquezas estruturais e baixos níveis de investimento público na sequência da crise financeira global e da crise soberana", algo agravado pela dificuldade em realizar reformas económicas num contexto de "fraco crescimento económico e espaço orçamental limitado".

"Por exemplo, Portugal e a Grécia registaram um rácio médio de investimento público face ao PIB [produto interno bruto] perto de 5% e 4%, respetivamente, de 2000 a 2008", e nos dez anos seguintes baixou "para 3,6% e 2,6% do PIB" nesses países.

A DBRS assinala que no total os Estados-membros do sul da UE devem receber a maior percentagem de subvenções dos programas de recuperação, atingindo 155 mil milhões de euros.

"A Grécia e Portugal vão beneficiar mais, ao receber subvenções que chegam aos 9% e 6% do PIB, respetivamente", refere a agência, que salienta ainda a importância de fazer reformas para absorver melhor os fundos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório