Meteorologia

  • 23 JANEIRO 2021
Tempo
15º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Sindicatos acusam Eurest de querer fazer despedimentos sem justificação

A Federação dos Sindicatos da Hotelaria e Turismo (FESAHT) acusou hoje a concessionária de cantinas e refeitórios Eurest de querer despedir 122 trabalhadores sem justificação.

Sindicatos acusam Eurest de querer fazer despedimentos sem justificação
Notícias ao Minuto

08:58 - 26/11/20 por Lusa

Economia FESAHT

"Tem um volume de negócios superior a 100 milhões de euros, dá milhões de lucros todos os anos, recebeu e continua a receber apoios do Estado neste período de pandemia. Não há nenhum motivo para recorrer ao despedimento coletivo e os motivos alegados pela empresa não são verdadeiros", sublinhou o dirigente da FESAHT Francisco Figueiredo, que falava à agência Lusa a propósito de uma concentração, ao início da manhã de hoje, frente às instalações da Efacec em Matosinhos, distrito do Porto, uma das empresas onde a Eurest fornece refeições.

"A Eurest não tem responsabilidade social e trata os trabalhadores sem dignidade", comentou o dirigente sindical.

Ao informar os sindicatos da sua intenção de proceder ao despedimento coletivo dos 122 trabalhadores a empresa justificou-se, segundo a federação sindical, com o termo de contratos de concessão de cantinas e refeitórios.

"A empresa alega ter trabalhadores a mais em algumas unidades, mas isso não é verdade. Aliás, até tem trabalhadores a menos, face à crise sanitária e às tarefas acrescidas de higienização e desinfeção", sublinhou o responsável da FESAHT.

Também na versão sindical não colhe um argumento adicional relacionado com o fim de algumas concessões.

"Basta-lhe não concorrer ao prolongamento dessas concessões e outra empresa toma conta", recebendo os trabalhadores.

Francisco Figueiredo afiançou mesmo que, "ainda agora, a Eurest contratou centenas de trabalhadores através de empresas de trabalho temporário para o mercado escolar e outros".

A Eurest é "useira e vezeira em despedimentos" e "tudo tem feito para encerrar o processo à força e, inclusive, recusou fornecer às comissões intersindicais", no dia 20, "informação essencial para aferir os motivos alegados e permitir a apresentação e propostas alternativas tendo em vista a minimização dos efeitos do despedimento", disse.

"Esse incumprimento de um formalismo essencial pode tornar ilícito o processo", avisou.

A ação de hoje em Matosinhos enquadra-se num conjunto mais vasto de iniciativas que incluiu uma greve em 05 de novembro.

A agência Lusa já pediu esclarecimentos à empresa, aguardando uma resposta.

Empresa do grupo inglês Compass, a Eurest opera em Portugal desde 1974 explorando cantinas, refeitórios, bares áreas de serviço, cafetarias e outros serviços conexos.

A empresa diz servir em Portugal 28 milhões de refeições por ano, com a colaboração de mais de três mil colaboradores.

Leia Também: Trabalhadores da Eurest em greve dia 5 de novembro contra despedimentos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório