Meteorologia

  • 31 OUTUBRO 2020
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 23º

Edição

Governo prolonga moratórias bancárias no âmbito da pandemia

O Governo decidiu, esta quinta-feira, em sede de Conselho Ministros, prolongar as moratórias para as empresas e famílias até 30 de setembro. Porém, há diferenças face ao regime que vigora atualmente.

Governo prolonga moratórias bancárias no âmbito da pandemia

O Governo decidiu, esta quinta-feira, em sede de Conselho Ministros, prolongar as moratórias para as empresas e famílias até 30 de setembro, mas há algumas diferenças. O objetivo é "dar mais tempo" às empresas e passar uma "mensagem de tranquilidade", disse o ministro de Estado e da Economia, Pedro Siza Vieira, na conferência de imprensa. 

"Todas as empresas que atualmente beneficiam da moratória vão beneficiar" do prolongamento. A diferença é que as empresas começarão a ter de pagar juros dos empréstimos a partir de 1 de abril

Já as empresas dos setores mais afetados pela pandemia "durante o período de seis meses [até setembro de 2021], além de suspenderem o pagamento de capital, também vêem suspenso o pagamento de juros", detalhou o ministro da Economia. A partir dessa altura, as empresas poderão reembolsar num prazo de três anos, segundo o novo regime. 

Quanto às famílias que "perderam rendimentos" no âmbito da pandemia poderão ter o pagamento das prestações e dos juros suspensos até 30 de setembro de 2021, adiantou ainda Siza Vieira, à semelhança do que acontece atualmente

O ministro da Economia detalhou ainda que este é um "esforço muito significativo do sistema bancário".

O Conselho de Ministros aprovou "medidas excecionais de proteção dos créditos das famílias, empresas, instituições particulares de solidariedade social, e demais entidades da economia social, passam a vigorar até 30 de setembro de 2021", pode ler-se no comunicado

O ministro de Estado e da Economia já tinha transmitido, na terça-feira, uma mensagem de tranquilidade às empresas, deixando a garantia que o Governo estava preparado para prolongar as moratórias, flexibilizar o apoio à retoma progressiva e até lançar novas linhas de crédito.

Desde abril que milhares de famílias não estão a pagar o crédito à habitação, fazendo uso do decreto-lei do Governo que permite moratórias nos créditos à habitação, com suspensão dos pagamentos das prestações (juros e capital) até 30 de setembro, prazo que, entretanto, foi estendido até 31 de março de 2021 e agora até setembro de 2021.

As moratórias de crédito, que suspendem pagamentos de capital e/ou juros, foram criadas como uma ajuda a famílias e empresas penalizadas pela crise económica desencadeada pela pandemia da Covid-19.

Leia Também: Banco de Portugal: Pedidos de moratórias superam 841 mil até junho

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório