Meteorologia

  • 24 OUTUBRO 2020
Tempo
17º
MIN 10º MÁX 19º

Edição

As fortunas dos multimilionários dos EUA dispararam durante a pandemia

Enquanto milhões de norte-americanos sofreram as devastadoras da crise económica e social espoletada pela pandemia, a riqueza de mais de 640 multimilionários registou um crescimento de 713 mil milhões de euros.

As fortunas dos multimilionários dos EUA dispararam durante a pandemia

A crise provocada pela pandemia de coronavírus deverá aumentar ainda mais as desigualdades no mundo nos anos vindouros. Aliás, o fosso já está a ser cavado neste momento em países como os Estados Unidos.

O mais recente Billionaire Bonanza publicado pelo Institute for Policy Studies revela que os 643 norte-americanos mais ricos não foram afetados pelas consequências da pandemia. Muito por contrário, na realidade.

Durante os dia 18 de março e 15 de setembro, estes multimilionários viram as suas fortunas disparar – acumularam 845 mil milhões de dólares (cerca de 713 mil milhões de euros), as suas riquezas combinadas cresceram 29%.

O estudo mostra que o rápido avolumar das fortunas destes multimilionários nos meses da pandemia aumentou o seu património líquido de 2,5 biliões de dólares (2,4 biliões de euros) para 3,8 biliões de dólares (3,2 biliões de euros).

Entre os ‘super-ricos’ cujas fortunas registaram um aumento maior contam-se Elon Musk, CEO da Tesla, Larry Ellison, CEO da Oracle, e o antigo ‘mayor’ de Nova Iorque e multimilionário, Michael Bloomberg.

Chuck Collins, diretor do Programa de Desigualdade do Institute for Policy Studies e que foi um dos autores do relatório agora divulgado, confessou à CNN que ficou de certa forma chocado com os números e acrescentou que a crise da pandemia está a “sobrecarregar as desigualdades existentes na América”.

“Eu pensei que seis meses após a pandemia toda a gente teria sido atingida. A diferença entre os lucros dos multimilionários e a miséria económica generalizada na nossa nação é dura. Dramatiza o sacrifício desigual e o elemento de especulação da acumulação de riqueza no topo”, constatou Collins.

A pandemia nos Estados Unidos gerou a maior crise de desemprego desde a Grande Depressão, com a taxa de desemprego a chegar aos 14,7% em abril. O país perdeu 11,5 milhões de empregos desde fevereiro.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório