Meteorologia

  • 09 AGOSTO 2020
Tempo
20º
MIN 18º MÁX 28º

Edição

Quebra de 70% nas óticas ameaça setor e pode resultar em concentração

O setor do comércio de ótica registou uma quebra de 70% desde março, devido à covid-19, "situação que ameaça a sustentabilidade das 1.511" lojas, segundo um estudo do professor Ricardo Reis, da Universidade Católica.

Quebra de 70% nas óticas ameaça setor e pode resultar em concentração
Notícias ao Minuto

09:30 - 02/08/20 por Lusa

Economia Covid-19

"Desde março, o setor do comércio de ótica sofreu uma quebra global de 70% nos resultados, situação que ameaça a sustentabilidade das 1.511 lojas filiadas na Associação Nacional de Ópticos (ANO)", de acordo com as conclusões desse trabalho, realizado a pedido da instituição.

Ricardo Reis alertou que "na ausência de medidas efetivas de apoio, o setor enfrenta o risco de concentração e a consequente perda de qualidade do serviço de saúde visual que as óticas prestam à população".

Numa nota, a dar conta das conclusões, Ricardo Reis e a ANO referem que "as óticas não estão a conseguir recuperar as perdas sofridas no período de confinamento e estado de emergência", alertando que "a crise económica está agora a por em causa centenas de empresas, sobretudo nos centros comerciais, onde há mais de 200 lojas em risco, e nas zonas rurais, onde os proprietários não conseguem ter retorno dos elevados níveis de investimento que este setor exige".

O estudo sublinha ainda que o "desaparecimento físico destas lojas obrigará as populações" a "deslocarem-se para os grandes centros urbanos para aceder a cuidados de saúde visual", perdendo proximidade, bem como "relação de confiança e qualidade do serviço, ou seja, com menos óticas, menos cuidados visuais disponíveis".

Paralelamente, nas cidades, "a quebra de resultados está a pôr muitas microempresas sob pressão e em risco de serem franchisadas e absorvidas por grandes grupos multinacionais".

De acordo com o estudo, esta concentração "implicará a perda de qualidade da oferta, nomeadamente no que respeita à proximidade, diferenciação, confiança ente ótico e cliente, bem como no que respeita à qualidade do emprego que caracteriza este setor".

O estudo alerta assim para o "risco iminente de descaracterização de um setor que investe continuamente em tecnologia, que é financeiramente estável, bom empregador e que tem uma função essencial na comunidade".

Tendo em conta a gravidade da situação, segundo o estudo, "a ANO tem vindo a realizar reuniões com o Governo, nomeadamente com os secretários de Estado para os Assuntos Fiscais e do Comércio e Serviços, tendo apresentado propostas de solução para a viabilização do setor" e que incluem a possibilidade de um "cheque-óculos", a par de outros "apoios conjunturais", como a "criação de um regime excecional para os contratos de arrendamento urbano não habitacional, semelhante ao aprovado para as lojas dos centros comerciais".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório